Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista

Painel da Folha de São Paulo

Imagem do colunista

Novo point

09/10/2021 11:01:17 min. de leitura

A Polícia Federal diz em relatório encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, ver uma tendência de migração de canais bolsonaristas para a rede social de direita Gettr, criada como alternativa após a suspensão de contas de Donald Trump no Twitter. A plataforma, diz o documento, tem como proposta restringir “os mecanismos de controle do Estado”.

A viagem de seu fundador, Jason Miller, ao Brasil foi vista como tentativa de alavancar o número de usuários no País.

De olho

A suspeita embasou o pedido encaminhado a Moraes para tomar os depoimentos de Miller, que também é ex-assessor de Trump, e Gerald Brant, empresário e amigo de Jair Bolsonaro, em 7 de setembro no inquérito sobre a atuação de milícias digitais em ataques às instituições.

Futuro

Os depoimentos dos dois, afirmou a PF a Moraes, não eram uma medida na esfera criminal, mas tinham como finalidade “auxiliar o Estado a atuar, caso e se necessário, diante de uma natural tendência de migração” dos bolsonaristas para a Gettr.

Isso aí

Moraes concordou com a PF e afirmou em sua decisão que o funcionamento da suposta organização criminosa investigada no caso das milícias digitais “depende de plataformas que permitam a divulgação de conteúdo sem as restrições que têm sido implementadas pelas redes sociais tradicionais”.

Alou

Um informe policial sobre os depoimentos mostra que Geraldo Brant acionou o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) após ser abordado pela PF no aeroporto de Brasília no dia 7 de setembro.

Socorro

Após a ligação para o filho do presidente chegaram ao aeroporto a advogada Milena Ramos Camara e, como mostrou o Painel, o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins.

Meu boy

Martins teve o nome anotado pelos investigadores, mas no final do depoimento a advogada tentou evitar o registro e argumentou que ele era seu namorado e estava no local para um almoço do casal.

Apure-se

Marcelo Freixo (PSB-RJ), líder da minoria na Câmara, pediu ao MPF providências a respeito da troca no comando da PF no Distrito Federal. Ele pede que a Procuradoria “intervenha no caso concreto, investigando ou recomendando uma postura nos termos constitucionais”.

Briga

Um dia após a deputada Joice Hasselmann anunciar filiação ao PSDB, a direção do PSL diz que vai se movimentar para solicitar seu mandato na Justiça Eleitoral. O presidente do partido, Luciano Bivar, afirma ao Painel que houve uma “filiação fake” de Joice e “o suplente exigiu do partido o seu mandato por completa infidelidade”.

É meu

“Estamos aguardando o parecer do jurídico para tomar as providências para uma ação de perda de mandato”, diz Antônio Rueda, presidente do PSL de SP.

Não pode

O vice-presidente da legenda, deputado Junior Bozzella (SP), argumenta que não houve expulsão e que o pedido pode acontecer em outros casos semelhantes.

Entra…

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), vai trocar nos próximos dias o comando da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura de São Paulo, responsável por políticas públicas relativas a moradores de ruas, a idosos e a pessoas com deficiência.

…e sai

Berenice Giannella, indicada pelo então prefeito Bruno Covas e no cargo desde julho de 2019, vai deixar o cargo, e no seu lugar será nomeado o vereador Carlos Bezerra Jr. (PSDB), que já foi secretário de Esporte e Lazer.

Cadê?

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) disse ao Painel que o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, é um “fujão”. Ele não compareceu à audiência pública ontem para debater o acervo cultural da instituição mesmo após confirmar presença.

Só in loco

Em sua conta no Twitter, Camargo disse não ter participado porque mudaram o encontro na Câmara de presencial para virtual. “Ele está com medo, poderia ter entrado no sistema online e feito a sua preleção e dado a sua opinião. Mas ele fugiu, é um fujão”, rebateu a deputada.

Tiroteio

“O veto expõe o desprezo do governo com a questão da pobreza menstrual, que tira a dignidade de mulheres pobres”
De Leila Barros (Cidadania-DF), senadora, sobre o veto do presidente Jair Bolsonaro à proposta de distribuição gratuita de absorvente.