Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Colunista

Painel

Munição

| 05/03/2021, 09:09 09:09 h | Atualizado em 05/03/2021, 09:15

A falta de prioridade na fila da vacinação e um voto de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) que manteve forças policiais entre os servidores públicos que podem ter reajustes salariais congelados viraram motivo de insatisfação na categoria, base eleitoral do presidente Jair Bolsonaro.

Associações, dirigentes e o baixo clero de órgãos estaduais e federais veem abandono do governo. Entidade que representa policiais rodoviários disse que Bolsonaro usa a segurança como bandeira eleitoreira.

Longe
O filho 01 do Presidente votou na quarta-feira contra uma emenda da PEC Emergencial que propunha deixar policiais de fora de congelamentos. A proposta foi rejeitada, com votos também de outros integrantes da base do governo.

Atrás
Na parte da vacinação, secretários de Segurança acionaram o ministro da Justiça para providências na fila de imunização. Documento do Ministério da Saúde formalizou que presos estão na frente na ordem de prioridades, antes de agentes penitenciários e policiais em geral.

Força
As categorias de segurança são base importante de Bolsonaro desde a campanha, quando ele fez uma série de promessas sobre o tema. A PEC Emergencial ainda vai ser discutida na Câmara.

Calma
Segundo secretários, André Mendonça sinalizou que vai tentar reverter a orientação da pasta da Saúde.

Alexandria
Em operação que investiga supostos desvios em emendas orçamentárias destinadas à saúde no Maranhão em que três deputados federais foram mencionados, a Polícia Federal encontrou um livro com as páginas recortadas para esconder uma arma.

Frila
O livro estava na casa de Abraão Nunes Martins Filho, vereador em Itapecuru-Mirim (PDT), que, segundo policiais, teria como função ameaçar prefeitos que não aceitassem pagar propina após receberem recursos de emendas.

Responda
Guilherme Boulos (Psol) pediu ao Ministério Público Federal que investigue possível ato de improbidade administrativa de Eduardo Pazuello (Saúde).

Cadê
O argumento apresentado é que o ministério gastou apenas 9% das verbas para compra de vacina enquanto investiu mais de R$ 90 milhões na compra de cloroquina e outros medicamentos sem eficácia para Covid.

Bibliografia
Médicos do centro de contingência do coronavírus em São Paulo recomendaram ao governador João Doria (PSDB) o livro “Covid Reference”, organizado por Bernd Kamps e Christian Hoffmann, que lista diversos eventos pelo mundo em que igrejas foram protagonistas de surtos de Covid-19.

Histórico
O tucano decretou que as igrejas são serviços essenciais em São Paulo, e então elas poderão funcionar durante a fase vermelha. O livro mostra casos como o de uma pessoa que teria iniciado a contaminação de mais de 6.000 outras em Daegu, na Coreia do Sul, em março de 2020.

Mon dieu
Na França, um evento cristão com 2.500 pessoas em fevereiro de 2020 teria dado o pontapé inicial da pandemia no país, com 1.000 infectados, aponta a publicação. Os médicos do centro de contingência pedem que o governador reveja o decreto.

Trânsito
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) abriu procedimento administrativo para apurar a batida do avião do governo da Bahia com vacinas de Covid em um jumento.

Ops
O acidente aconteceu quando a aeronave pousou no aeroporto de Ibotirama (BA). Segundo a agência, o aeródromo está regularmente inscrito e aberto ao tráfego aéreo.

Celebração
O STJ refez um panfleto para divulgação de oficinas práticas oferecidas durante o Mês da Mulher após a primeira versão ser criticada internamente por ter conteúdo machista.

Casa e cozinha
A primeira versão tinha em destaque o título “Oficinas para Servidoras” e oferecia os cursos de “Rotina Familiar”, “Planejamento de Cardápios” e “Homeschooling”.

Muda
Após as críticas, o STJ modificou o panfleto e incluiu a possibilidade de homens se inscreverem nas oficinas.

Tiroteio
“A decisão desse órgão em apoiar esse tratamento pode ser uma licença para o charlatanismo com recurso público”
De Alexandre Padilha (PT-SP), deputado, sobre nota compartilhada pelo MPF em Goiás em apoio ao tratamento precoce para Covid-19.

MATÉRIAS RELACIONADAS