Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Malha fina

| 09/10/2020, 08:47 08:47 h | Atualizado em 09/10/2020, 08:49

A Polícia Federal vai usar neste ano um sistema de inteligência para detectar especificamente a existência de candidaturas de laranjas. O programa vai fazer automaticamente um cruzamento de dados entre o número de votos dos candidatos e o valor de recursos recebidos.

Em 2018, partidos foram acusados de desviarem dinheiro de mulheres para homens ou para outros fins, burlando a cota feminina. Neste ano, a suspeita é que a prática pode alcançar também candidatos negros.

Líder
Um dos principais casos, revelado pela Folha, foi o do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG), que foi indiciado e denunciado pelo esquema.

Fiscais
O sistema que vai ser usado pela primeira vez pela PF em uma eleição também fará outros tipos de cruzamentos. O programa pode ajudar a identificar fraudes relacionadas a doações, por exemplo, como a utilização de pessoas mortas para ocultação da origem do dinheiro.

Foco
A participação de pessoas ligadas a facções criminosas também está entre as prioridades de investigadores.

Cálculos
A probabilidade de Bolsonaro rachar a pasta de Paulo Guedes foi classificada como nula no Ministério da Economia.

Cortes
Um dos argumentos usados a favor de Guedes em defesa da manutenção do seu ministério como está é a redução de gastos públicos. Sob seu comando, a pasta gastou menos do que os cinco ministérios gastavam juntos (R$ 15 bilhões).

Legado
A auxiliares, o ministro costuma citar casos de corrupção desbaratados no Ministério do Trabalho e de lobby no Ministério da Indústria.

Sem piscar
No primeiro encontro cara a cara após a briga da última semana, Guedes e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) ficaram em silêncio na reunião ministerial ontem.

Divergência
Ao permitir que o Google possa redirecionar usuários que acessam a plataforma à procura de um candidato para um terceiro que tenha pagado por esse serviço, o TSE tomou decisão que conflita com entendimento de outra corte.

Precedente
O STJ proibiu que o Google redirecionasse consumidores que tenham procurado por uma empresa e, na busca, tenham recebido a oferta do concorrente.

Mão aberta
O dono da Crefisa e da Faculdade das Américas (FAM), José Roberto Lamacchia, doou R$ 200 mil para a candidatura à reeleição à Prefeitura de São Paulo do tucano Bruno Covas (PSDB).

Publicidade
Para além de sua carreira empresarial, Lamacchia ganhou notoriedade nos últimos anos por ter se tornado patrocinador do Palmeiras, clube no qual atua como conselheiro. Sua mulher, Leila Pereira, é candidata à reeleição para o conselho do Palmeiras, em pleito que será realizado no começo de 2021.

Desconto
O ex-ministro da Educação Carlos Alberto Decotelli entrou com pedido de gratuidade de Justiça na ação por danos morais contra a FGV. Ele argumenta que não tem rendimentos expressivos, vive com uma aposentadoria do INSS e que teve grande prejuízo na vida profissional devido à postura da faculdade.

Provas
Quando Decotelli virou ministro, a FGV afirmou que ele não havia sido professor de qualquer de suas escolas. No entanto, após ter sido exonerado por Jair Bolsonaro em meio a acusações de falsificação de currículo, o ex-ministro apresentou documentos que mostravam que ele havia lecionado, sim, em cursos de pós-graduação da FGV.

Processo
A ação por danos morais foi aberta no final de julho e está na fase de análise desse pedido de gratuidade.

Combinado
O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, chegou aos EUA ontem para assinar um acordo com a Organização dos Estados Americanos (OEA) para que a entidade seja observadora das eleições municipais de novembro no Brasil.

Tiroteio
“O presidente Bolsonaro faz gabança, mas diz uma verdade: a linha de produção da Lava a Jato foi interrompida”
De Esperidião Amin, senador (PP-SC), sobre a fala de Jair Bolsonaro de que acabou com a Lava a Jato porque não tem corrupção no governo

MATÉRIAS RELACIONADAS