Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Fotografia

| 24/03/2021, 09:02 09:02 h | Atualizado em 24/03/2021, 09:04

No evento de hoje para uma suposta tentativa de união nacional para o combate ao coronavírus, Jair Bolsonaro se encontrará com um grupo de governadores, momento inédito nos últimos 300 dias.

Os convidados, que representarão as diferentes regiões do País, quase todos mais próximos do presidente da República, têm outra coisa em comum: decretaram em seus estados medidas restritivas, entre elas toque de recolher, ações que têm sido atacadas por Bolsonaro.

Cara a Cara
Segundo Wellington Dias (PP-PI), coordenador do Fórum de Governadores, ficou combinado que os participantes levarão ao chefe do Executivo uma série de demandas. Medidas restritivas para todo o País estarão na lista. Dias não foi convidado e não estará presente.

Amigos
No grupo que estará no Palácio do Planalto, há seis governadores entre os sete convidados que são alinhados ao Presidente. Apenas Renan Filho (MDB-AL) destoa, mas não tem tido conflitos públicos com Bolsonaro.

Exemplo
Ratinho Júnior (PSD-PR), aliado do Presidente, é um dos que estão vendo o toque de recolher dar resultados, segundo ele mesmo diz. Seu decreto restringe circulação de pessoas entre 20h e 5h.

Acesso
O governador do Paraná afirma que, além desse tema, haverá um pleito para que se aprove de novo uma lei que facilite compras na área de saúde. A que existia deixou de valer em dezembro.

Kit
O Ministério da Saúde disse a estados que firmou ontem acordo com uma fabricante nacional para fornecer bloqueadores neuromusculares a todos os estados.

Relógio
A distribuição será feita de forma proporcional ao consumo médio de cada estado e pretende, segundo a pasta, garantir o abastecimento imediato por cinco dias.

Escassez
Como mostrou a Folha, a escassez desse tipo de medicamento tem obrigado as equipes médicas que atuam nas UTIs a racionar a droga e até utilizar outros tipos de medicamentos de segunda ou terceira linha.

Mensagem
O MDB preparou um manifesto com críticas à condução do combate à pandemia pelo governo de Jair Bolsonaro. No texto, o partido diz que o País está se tornando um pária mundial e pede a criação de uma Frente Nacional pela Vida.

Já deu
O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) foi criticado por empresários na noite de segunda-feira, em São Paulo. Representantes de diversos setores tiveram reuniões com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), na capital paulista.

Além da conta
Nos encontros, o titular do Itamaraty foi chamado de omisso pela postura que tem tido durante a pandemia do coronavírus. Os críticos afirmaram que a pasta deveria ter ficado à frente de questões importantes, como da vacina, de insumos e medicamentos, mas se manteve ao lado do negacionismo.

Ordem
A pressão sobre o ministro tem aumentado. Líder do Centrão, Ciro Nogueira (PP-PI) disse ao Painel que, se Araújo não mudar de postura, passará a defender sua troca.

Lobby
O ministro André Mendonça (Justiça) enviou ofício ao Ministério da Saúde pedindo que policiais sejam incluídos nos grupos de prioridade de vacinação de Covid-19.

Contato
Como mostrou a coluna, secretários de Segurança Pública se incomodaram ao se darem conta de que a imunização de presos está prevista para ocorrer antes da dos profissionais de segurança. O documento de Mendonça foi enviado na segunda-feira.

Troca
A senadora Simone Tebet (MDB-MS) vai apresentar um texto substitutivo ao projeto 5435/2020, que cria o Estatuto da Gestante e tem sido alvo de críticas.

Virada
A versão inicial, de autoria do senador Eduardo Girão (Podemos-RN), que é contra o aborto, previa a inclusão da proteção de direito à “vida desde a concepção”, o que restringiria a possibilidade de interrupção da gravidez mesmo nos casos legais. Ele também pretendia criar uma “bolsa-estupro”, salário para gestantes que levassem à frente a gravidez fruto de violência.

Tiroteio
“A rejeição do Moro vai crescer tanto que o Deltan Dallagnol vai bloqueá-lo no Telegram.”
De Antônio Carlos de Almeida Castro, advogado criminalista, sobre a queda na aprovação do ex-juiz Sergio Moro mostrada pelo Datafolha.

MATÉRIAS RELACIONADAS