Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Despacito

| 12/06/2020, 09:33 09:33 h | Atualizado em 12/06/2020, 09:37

Após oito meses do oferecimento da denúncia pelo Ministério Público, a Justiça ainda não decidiu se aceita a acusação contra o ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) no caso do esquema das candidaturas de laranjas do PSL em Minas Gerais.

A denúncia foi feita em 4 de outubro de 2019. O processo foi remetido para o Supremo Tribunal Federal (STF) em fevereiro deste ano. Os tribunais não informam o motivo do deslocamento porque o caso está sob sigilo.

Histórico
A investigação, iniciada com base em reportagens da Folha de São Paulo, concluiu que o ministro fez parte do esquema de desvio de recursos públicos por meio de candidaturas femininas de fachada.

De novo
Em fevereiro de 2019, o caso já tinha passado pelo STF, quando Luiz Fux decidiu manter a investigação na primeira instância. Marcelo Álvaro é acusado de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa.

Sigilo
O advogado do ministro, Willer Tomaz, também não informou o motivo da denúncia ter ido para o Supremo e disse que não comentaria.

Oie
Eduardo Bolsonaro foi o primeiro filho do Presidente a visitar o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando de Souza. O deputado foi à sede do órgão na terça-feira. Tratou, entre outras temas, sobre armas. Desde o ano passado, a família Bolsonaro se queixa de burocracias para liberação de novos registros.

Não é comigo
Internamente, dirigentes dizem que a PF apenas executa a política de armas e, portanto, não tem competência para mudar regras. Armar a população é uma das bandeiras de Bolsonaro. Ontem, a Justiça Federal em São Paulo suspendeu portaria do governo que triplicou o limite de compra de cartuchos.

Em frente
Alvo de operação da PF, na última quarta-feira, o secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame, disse que não será intimidado. Ele teve o celular apreendido. O inquérito apura desvios na pandemia.

Sem parar
“Embora constrangido, entristecido e indignado, a operação da PF não foi surpresa, pois tem sido permanente a tentativa de criminalizar os gestores neste momento tão difícil pelo qual passamos”, afirmou Beltrame ao Painel. Ele também é presidente do conselho de secretários de saúde

Quem quer dinheiro
Ao ser avisado que seu genro tinha virado ministro de Bolsonaro, Silvio Santos deu parabéns e logo perguntou se haveria mudança de “proventos”. Frustrou-se, no entanto.

Regras
O salário de ministro (R$ 30,9 mil) é mais baixo que o de deputado (R$ 33,8 mil), mas Fábio Faria (PSD-RN) pode (e vai) optar por continuar com remuneração da Câmara.

Compensação
Deputados dizem que Bolsonaro justificou a criação da pasta com o argumento de que o Banco Central perderá o status de ministério em breve. Para isso, é preciso que o Congresso aprove projeto de lei.

Acelera
Segundo parlamentares, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, intensificou a pressão para acelerar a tramitação. O projeto que dá autonomia ao banco vai ser primeiro votado no Senado.

Calendário
A sinalização é de que dificilmente vote antes de agosto, o que já estava previsto. Nas redes, postagem de Bolsonaro de 2018 se comprometendo a reduzir ministérios viralizou ontem.

Decida-se
O ministro Og Fernandes vai decidir hoje se autoriza o compartilhamento do inquérito das fake news com as ações que pedem a cassação da chapa de Bolsonaro. Ele é relator dos processos.

Mapa
Fundador do Somos 70%, Eduardo Moreira foi um dos articuladores de um programa de captação de recursos no mercado lançado pelo MST em maio e que recebeu críticas por se aproximar de quem ataca. O economista diz que o projeto deve buscar mais R$ 3 milhões na próxima semana.

Cultiva
Moreira tem laços estreitos com o MST há anos. Ele foi apresentado pelo sociólogo Jessé Souza a João Stédile e foi levado a temporadas em acampamentos, quilombos, favelas e aldeias indígenas.

Tiroteio
“A onda de agressividade contra a imprensa, estimulada pelo Presidente, leva a atitudes extremadas.”
De Marina Silva (Rede), ex-presidenciável, sobre o homem que invadiu a sede da TV Globo e fez a repórter Marina Araújo refém.

MATÉRIAS RELACIONADAS