Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Bola na rede

| 09/03/2021, 08:57 08:57 h | Atualizado em 09/03/2021, 08:59

Integrantes do mundo jurídico afirmam que a decisão de Edson Fachin, do Supremo, dá pouquíssimas chances para Lula ficar de fora da eleição presidencial de 2022. Advogados e magistrados ouvidos pelo Painel apontam duas razões: a prescrição de quase todos os crimes após os casos voltarem à fase de denúncia e os prazos que vão correr a partir de agora.

O prognóstico depende do plenário do STF, que vai julgar os atos de Fachin. Se a maioria referendar, eles dizem, o petista estará na eleição.

Já ganhou
Todos os fatos apontados contra Lula até 2012 devem prescrever, segundo advogados. Além disso, eles afirmam que a Justiça do Distrito Federal teria que funcionar como nunca antes na história do País para conseguir impedir o petista de concorrer.

Maré...
A decisão de Fachin aconteceu pouco após manifestações públicas do ministro. Em fevereiro, disse que “qualquer tipo de pressão injurídica sobre o Poder Judiciário” é inaceitável, em reação à revelação de que a cúpula do Exército teria articulado um tuíte de antes do julgamento de habeas corpus que poderia beneficiar Lula em 2018.

...Montante
À Folha, disse que a democracia brasileira está “sob ataque”.

Cascata
No Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), segunda instância dos processos da Lava a Jato do Rio de Janeiro, a decisão do ministro Fachin é vista como uma oportunidade para os advogados dos doleiros alvos da operação Câmbio, Desligo.

Salva
A investigação é desdobramento da investigação sobre Sérgio Cabral e mira doleiros de diversos estados que atuavam com Dario Messer, o “doleiro dos doleiros”.

Longe
No Tribunal, a análise feita é que cada caso poderá seguir para a Justiça Federal do estado onde o operador financeiro atuava e sair das mãos do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio.

Valendo
Apontado por Lula como o candidato presidencial do PT em 2022 antes da reviravolta de ontem, Fernando Haddad disse ao Painel que sempre apoiou a precedência do ex-presidente. E que, então, na sua visão, deverá ser o representante do partido nas eleições.

Vermelho
“A justiça é um fato a celebrar. A candidatura de Lula é uma decorrência natural”, afirmou o petista, ex-prefeito de São Paulo.

Fla x Flu
O recrudescimento da polarização política esperado com a anulação das sentenças contra o ex-presidente Lula terá de anteparo no Supremo dois inquéritos: o das fake news e o dos atos antidemocráticos.

Segurança
Ministros dão como certa a continuação dessas apurações nesse novo cenário e enxergam nelas uma maneira de proteger instituições de possíveis arroubos autoritários no período.

Made in usa
Nos bastidores, integrantes do STF falam que as investigações podem impedir cenas como as registradas nos EUA após a derrota de Trump. A invasão do Capitólio por manifestantes insuflados pelo ex-presidente americano foi citada como exemplo do que é preciso evitar.

Hoje estou...
Habituado a comemorar decisões judiciais em desfavor do ex-presidente Lula, João Doria (PSDB) ficou em silêncio ontem e não se manifestou após o ato de Fachin.

...Mudo
Atualmente, o governador de São Paulo polariza com o presidente Jair Bolsonaro e com seus apoiadores, de quem tem sofrido ataques agressivos e constantes por meio das redes sociais.

Decoro
Bolsonaro voltou à carga sobre os governadores e disse que muitos utilizaram dinheiro destinado pelo governo federal à saúde para colocar suas contas em dia. Em entrevista ao programa do Datena, o Presidente citou Eduardo Leite (PSDB-RS) e fez insinuações sem provas (e constrangedoras).

Oi?
“Onde o governador do Rio Grande do Sul, que fala muito manso, muito educadamente, uma pessoa até simpática, mas é um péssimo administrador. Onde ele enfiou essa grana? Eu não vou responder pra ele, mas eu acho que eu sei onde ele colocou essa grana toda aí, não colocou na saúde”, disse Bolsonaro no programa.

Tiroteio
“Fachin viu agora o abuso da execução em 2ª instância? A anulação desmoraliza os defensores da execução antecipada”
De Juliano Breda, conselheiro federal da OAB, sobre decisão do ministro do STF de anular as condenações proferidas contra o ex-presidente Lula.

MATÉRIAS RELACIONADAS