Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Aviso prévio

| 10/02/2020, 08:33 08:33 h | Atualizado em 10/02/2020, 08:36

A operação contra o ex-capitão Adriano da Nóbrega, ligado ao senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), teve conhecimento prévio do Ministério da Justiça e tentou envolver a Polícia Federal.

Dias antes da ação, uma das secretarias da pasta de Sergio Moro sondou a possibilidade de apoio de um helicóptero e alguns efetivos, a pedido da polícia do Rio. Em geral, operações sensíveis são tratadas pelos canais de inteligência entre órgãos, sem informações sobre o alvo.

Oficial
A PF pediu que a solicitação fosse formalizada, o que não ocorreu.

Empurra
Questionada, a pasta da Justiça disse que não teve envolvimento com a operação e que “não haveria nenhum motivo para disponibilizar helicópteros e policiais para a captura de apenas um foragido com esconderijo identificado”. A Secretaria de Polícia Civil do Rio informou que “a parte operacional foi realizada pela Polícia Civil da Bahia.”

Aval
De acordo com o Ministério Público do Rio, a operação de ontem (9) foi realizada com autorização da Justiça da Bahia. No dia 2 de fevereiro, as polícias baiana e fluminense entraram sem mandado específico em uma casa de luxo no litoral baiano, a 105 km de Salvador.

Não fala
O ministro da Justiça, Sergio Moro, falou no Twitter sobre desenhos animados e deu parabéns à PM do Mato Grosso de Sul pela apreensão de armas, mas não comentou a ação contra o ex-capitão da PM.

Águas de março
A fase prévia à abertura de um possível processo de cassação contra Wilson Santiago (PTB-PB) não deve ser concluída antes de meados de março. O corregedor da Casa, Paulo Bengtson (PTB-PA), tem até 45 dias após a apresentação da defesa do colega de bancada para apresentar um parecer.

Detalhes
Bengtson afirma que o fato de ser do mesmo partido de Santiago não vai influenciar o trabalho. “Na Corregedoria não se olha bandeira de partido, se olha processo. E é em cima disso que vamos fazer nossa análise.”

Na Justiça
O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) vai processar, pelo crime de racismo, um integrante e ex-candidato do PT que o chamou de “negro com alma de branco” em uma publicação nas redes sociais. Os dois partidos são aliados históricos.

Eureka
A Enap (Escola Nacional de Administração Pública) está oferecendo prêmio de R$ 75 mil a quem apresentar a melhor sugestão sobre como o governo deve atrair e selecionar profissionais para cargos comissionados. É a primeira vez que o setor público abre consultas para resolver problemas internos.

Eureka II
Outra solução buscada pelo governo é como melhorar o custo-benefício no transporte administrativo, como de documentos. Neste caso, o prêmio para a melhor proposta é de R$ 100 mil.

Olho no lance
Em meio à expectativa da reforma tributária, propostas na Câmara e no Senado unificam tributos federais e estaduais e mudam a taxação dos combustíveis. Uma delas coloca todos os produtos com uma única tributação que, segundo especialistas, girará em torno de 25% – hoje, o imposto sobre a gasolina é de 45%.

Horizonte
“Será um bom momento para discutir racionalmente a tributação de combustíveis, mas para além desse debate conjuntural sobre se quero ou não baixar o preço”, afirma o economista Bernard Appy, autor da proposta da Câmara.

O mais
O governo Bolsonaro terminou o ano de 2019 com recorde de pedidos de Lei de Acesso à Informação. Foram 135,3 mil solicitações enviadas. Em 2018, com Michel Temer, foram 129,3 mil. Ainda com Dilma Rousseff, no primeiro ano da Lava Jato, em 2014, tinham sido 90,1 mil.

Passado
Em fevereiro do ano passado, o governo chegou a fazer um decreto alterando a lei, mas a medida foi derrubada por deputados federais.

Orelha quente
Secretários estaduais de Fazenda se reúnem em Brasília hoje (10) para discutir sugestões para a alteração da política de preços do governo e para o aumento de repasses da União, como o novo Fundeb.

Tiroteio

“PT continua baseando seu projeto num presidiário. Parece cada vez mais uma quadrilha”. De Kim Kataguiri (DEM-SP), sobre os 40 anos do PT.

Publicação simultânea com a Folha de São Paulo

MATÉRIAS RELACIONADAS