Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira

Imagem do colunista Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira

Noite de desfalques

06/10/2021 10:10:57 min. de leitura

É falsa a impressão de que o Flamengo foi o único prejudicado pela decisão da CBF de não adiar mais alguns jogos ou de não paralisar o Brasileirão para o cumprimento de mais uma Data-Fifa. O Atlético/MG, que hoje enfrenta a Chapecoense, em Chapecó, está sem nove jogadores à disposição de Cuca: Guilherme Arana, Júnior Alonso e Allan Franco, convocados para as partidas das Eliminatórias; Vargas, Savarino, Diego Costa e Mariano, machucados; Zaracho, suspenso, e menino Savinho, cedido à seleção sub-18.

Portanto, em que pese a incapacidade dos dirigentes de gerir o futebol brasileiro com o mínimo de profissionalismo e bom senso, a ausência de Everton Ribeiro, Gabriel Barbosa, Arrascaeta, Isla (cedido às seleções de Brasil, Uruguai e Chile),

Gustavo Henrique, Diego e David Luiz (machucados) não faz do Flamengo um time incapaz de vencer o Bragantino, nesta mesma noite, em Bragança.

O onze que Renato levará a campo é competitivo o suficiente, com ou sem Bruno Henrique, que ainda é dúvida.

Vejamos: Diego Alves, Matheuzinho, Rodrigo Caio, Léo Pereira e Filipe Luís; Willian Arão, Thiago Maia, Andreas Pereira e Vitinho; Bruno Henrique (Michael) e Pedro. Está longe de ser uma equipe fragilizada.

E discuto sobre quem perdeu mais ou menos com as convocações que não deveriam ter ocorrido. Mas, em exercício lúdico, posso achar que os times escalados hoje se equivalem.
Vejam a formação do Galo: Everson; Guga, Nathan Silva, Réver e Dodô; Jair, Alan, Tchê Tchê e Nacho Fernández; Hulk e Keno.

Lamento que o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, tenha tomado a equivocada decisão de não se fazer representar nas reuniões que discutem questões estruturais do futebol brasileiro.

Principalmente por ser sabedor de que a CBF está acéfala, perdida em questões internas e enfraquecida perante os clubes.
Com bom argumento e união em prol do produto “Campeonato Brasileiro”, teriam convencido a entidade a não chamar jogadores em atividade no País. Mas a arrogância e a intolerância foram mais fortes e elas devem fazer algum sentido para ele.

Belo confronto

O Fluminense de Marcão reaparece diante de sua torcida, no Maracanã, num duelo com o Fortaleza que pode projetá-lo para a luta por vaga no G-4.

Ainda que o Brasil tenha garantido nove vagas na próxima Libertadores, a luta por uma melhor premiação passou a ser causa nobre para as forças intermediárias.