Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira

Colunista

Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Jornal A Tribuna | 01/11/2021, 10:55 10:55 h | Atualizado em 01/11/2021, 10:56

Faz pouco tempo, questionei neste espaço a diferença de pontos que separava o líder Atlético/MG de seus mais próximos concorrentes ao título brasileiro. E a vitória do Flamengo no confronto direto provou que não era exagero meu. Mesmo sem alguns titulares, e com Gabriel Barbosa em momento ruim, o atual campeão impediu que a disputa se tornasse mera formalidade. Difícil, agora, saber se o futebol pobre exibido no Maracanã é fruto da limitação dos técnicos ou do estresse físico e mental dos jogadores numa temporada de calendário atípico.

Flamengo 1 x 0 Atlético/MG 

Como espetáculo, esperava-se mais do confronto. Mas em termos de resultado, o 1 a 0 foi o bastante para o momento do Flamengo. 

O veto a alguns titulares que já não estavam no melhor da forma física, como Filipe Luís e Diego, permitiu que Renato levasse a campo um time mais capaz de se desdobrar na marcação. 

Sim, porque a vitória deixaria o Flamengo na disputa do título. Mas não perder para o líder já acalmaria os nervos. 

Tão importante quanto vencer, era não perder. O Galo de Cuca se deixou levar pelo suposto mau momento rubro-negro e, quando deu por si, estava em desvantagem no placar e sem ideias eficientes para vencer as linhas de marcação. O que ajudou na percepção da falta de qualidade das equipes.

Ceará 1 x 0 Fluminense 

O gol de pênalti, no início do jogo, obrigou o Fluminense a ser mais propositivo. E esta não é a forma que melhor se encaixa no perfil da equipe. 

O melhor do time de Marcão é visto em ações reativas. Sem John Kennedy, suspenso, faltou quem infiltrasse com eficiência nas linhas defensivas do Ceará. Mesmo tendo um jogador a mais na maior parte do jogo.

Goiás 1 x 1 Botafogo 

Não foi uma boa partida do time, pressionado desde o primeiro minuto na Serrinha. 

Mas o ponto obtido coroou a eficiente atuação na fase defensiva. Os contra-ataques não tem funcionado nos jogos como visitante e fica a impressão de que os jogadores estão saturados, o que a seria absolutamente normal.

Vasco 1 x 3 CSA 

Sem Nenê, o time não conseguiu se impor entregando a Marquinhos Gabriel a missão de ligar o ataque. E como não tem consistência defensiva, perdeu. 

O Vasco quer (e deve!) se fazer protagonista, mas não tem elenco sequer para variar o modelo de jogo. 

É a orquestra monocórdica que desafina sem o maestro. Ainda mais quando solicitada a executar um recital mais apurado.

Seu limite gratuito de 15 matérias bloqueadas acabou...
Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos:
Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

MATÉRIAS RELACIONADAS