Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Doutor João Responde

Doutor João Responde

Colunista

Dr. João Evangelista

O desconfiado paranoico

null | 11/01/2022, 08:04 08:04 h | Atualizado em 11/01/2022, 08:04

Somos bombardeados diariamente com informações desagradáveis. Notícias sobre guerras, violência, crimes, corrupção e doenças fazem parte desse cotidiano. Com isso, pensamentos pessimistas costumam rondar nossas mentes.

A persistência de devaneios ruins acaba gerando pane no sistema nervoso central, que termina por confundir desconfiança com paranoia. 

Ao contrário da preocupação, via de regra passageira, o transtorno paranoico se caracteriza por um estado constante de ansiedade em resposta a determinado medo. 

Como resultado, surge um quadro de hipervigilância, levando a vítima a estar sempre atenta a tudo e a todos. Pensamentos paranoicos dão origem a crenças falsas que aumentam o temor.

Esses padrões de pensamentos não têm base na realidade, mas são fervorosamente alimentados pela pessoa paranoica. Existem momentos que beiram a insanidade, especialmente quando a pessoa vivencia experiências negativas ou entra em contato com notícias danosas.

Felizmente, após flutuarem durante algum tempo na mente, instigando especulações e fantasias trágicas, esses preocupantes pensamentos acabam desaparecendo. O problema é quando esses momentos se tornam corriqueiros e persistentes, gerando comportamentos incomuns e decisões insensatas. 

Desconfiando de quem não conhece, o paranoico pode tentar se esconder do objeto de sua desconfiança, ou confrontá-lo com agressividade, como se quisesse destruí-lo. 

Esse comportamento antissocial causa o afastamento de amigos, familiares e colegas de trabalho, o que acaba confirmando os medos da pessoa paranoica de não poder confiar em ninguém. Além da ansiedade, o paranoico sente profundo cansaço físico. Estando sempre preocupado com alguma coisa, ele não consegue relaxar, fazendo com que o estresse comprometa sua saúde.

Teorias psicossociais, fatores genéticos, bioquímicos e neuropatológicos tentam explicar a causa da paranoia. Neoplasias, infecções graves e depressão emocional também estão relacionados com surtos paranoicos.

Muitas vezes, a coerência socorre o paranoico e ilumina o desconfiado. Existem pessoas ruins. Algumas situações podem realmente acabar mal. Acontecimentos hediondos costumam acontecer. Eventos traumáticos podem ter sido responsáveis pela gênese da mente assustada e enraivecida de ambos perfis psicológicos.

No passado de cada pessoa, pode ter havido uma experiência de decepção. Alguém que deveria ter sido gentil e não foi; um lugar que deveria ter sido seguro e se transformou em um local de horror; alguém esperado que não apareceu. Por ter sido tão traumático, o indivíduo pegou essa experiência e a imaginou como aplicável em todos os cenários da experiência humana. 

Reagimos, assustados, não porque alguém realmente esteja nos seguindo, mas porque, lá atrás, alguém nos decepcionou e éramos jovens e frágeis demais para aprender a dar a perspectiva adequada a eventos negativos.

A desconfiança cautelosa é saudável. O absoluto pertence à patologia.

Seu limite gratuito de 15 matérias bloqueadas acabou...
Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos:
Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

MATÉRIAS RELACIONADAS