Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Tereza Cristina defende agronegócio na Europa

| 10/10/2020, 08:51 08:51 h | Atualizado em 10/10/2020, 08:59

Depois de o Parlamento Europeu rejeitar simbolicamente o acordo de livre comércio com o Mercosul, Tereza Cristina embarca hoje rumo a Portugal. Tentará diminuir resistências.

A visita ocorre a convite da ministra portuguesa da Agricultura, Maria do Céu, para tratar de agenda bilateral, mas Tereza martelará sua tese: o agronegócio “não é vilão” do meio ambiente.

A brasileira fará um reconhecimento óbvio: 2020 será pior que 2019, que foi pior que 2018 em desmatamentos e queimadas. Mas defenderá esforço para reverter o quadro em 2021.

Poder da palavra. A ministra da Agricultura do Brasil defenderá ainda que o acordo beneficiará também os europeus. Os portugueses são os menos hostis aos argumentos brasileiros. Há ainda uma rodada de conversa com investidores.

Bem na fita. De acordo com pesquisa levantada pela equipe da ministra para ser apresentada durante a visita, o Brasil tem se destacado na produção de “energia limpa” ou não poluente.

Comitiva. Tereza viaja acompanhada do seu secretário de Comércio e Relações Internacionais, embaixador Orlando Leite Ribeiro, do presidente da Frente Parlamentar de Agricultura, Alceu Moreira (MDB-RS), e do gerente de agronegócio da Apex, Márcio Rodrigues.

Olha só. Como diplomacia é a arte da sutileza, a ministra também visitará com os portugueses o Porto de Sines. Trata-se de uma entrada importante na Europa, com potencial de servir como rota alternativa ao Porto de Amsterdã.

Hello! A propósito, o ministério está fazendo um vídeo em defesa da polêmica Lei da Regularização Fundiária. Nele, compara terras irregulares com carros sem placa. Como multá-los? A produção será em inglês e há uma expectativa de que, desta vez, Bolsonaro entre na divulgação.

Tô on! Prestes a completar 81 anos, Amazonino Mendes, candidato pelo Podemos, encontrou uma maneira simples e direta de rebater boatos de que estaria velho para ocupar a prefeitura de Manaus (AM). Gravou e soltou nas redes um vídeo com a gíria do momento entre a galera: “O pai tá on, minha gente”.

CLICK. Com pouco tempo de TV, Guilherme Boulos mostrou sua rotina em uma live de 24 horas.

Longe da... Com o avanço cada vez maior das redes sociais no debate político, pesquisa exclusiva da Quaest Consultoria mostra que 62% dos eleitores não pretendem assistir aos programas dos candidatos de suas cidades no horário eleitoral gratuito de televisão.

...TV. Só 24% dos entrevistados disseram ter a intenção de assistir a alguns programas; 9% querem acompanhar todas as exibições; 3%, as primeiras inserções; outros 3%, só as últimas. As mulheres são as mais resistentes aos programas televisivos (65%).

“Xovens”. Os eleitores entre 16 e 24 anos (12%) são os mais dispostos a assistir a todos os programas eleitorais, seguidos pelos adultos de 25 a 34 anos (9%).

Localidade. Os eleitores da Região Norte são os que devem dar maior audiência ao horário eleitoral gratuito: 52% querem assistir a todos os programas ou pelo menos a alguns.

Dados. A pesquisa foi realizada entre os dias 21 e 24 de setembro. A margem de erro é de 3,1 pontos porcentuais em um intervalo de confiança de 95%.

Pronto, falei!

O Prêmio Nobel nos mostra a urgência de colocarmos em primeiro plano a segurança alimentar. A alimentação é o primeiro degrau da cidadania”

MATÉRIAS RELACIONADAS