Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Sem Pfizer, Prefeitura de São Paulo busca a Janssen

| 26/02/2021, 08:40 08:40 h | Atualizado em 26/02/2021, 08:55

A Prefeitura de São Paulo tem reunião marcada com a Janssen nos próximos dias, provavelmente na segunda-feira, dia 1º março, para negociar com a farmacêutica da Johnson & Johnson a compra de sua vacina contra a Covid-19, ainda sem aval da Anvisa.

Segundo apurou a coluna, a administração da capital já manteve contatos com outras empresas: a Pfizer, por exemplo, interditou, ao menos por ora, a negociação, sob alegação de que o governo federal exige exclusividade no País para compra de seu imunizante, o único com registro definitivo da Anvisa.

Leque. Diante da resposta da Pfizer de que ainda pretende manter como prioridade a negociação com o governo Jair Bolsonaro, ou seja, aceita a condição de exclusividade, a Prefeitura de São Paulo também deve buscar contatos com a Sputnik V.

Terra... Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba mostram que, entre março e dezembro de 2020, o consumo de azitromicina aumentou 43,6% no Brasil em comparação ao mesmo período de 2019. A droga integra o “tratamento precoce”, que, apesar da defesa de Jair Bolsonaro, não tem eficácia comprovada.

...redonda. O levantamento aponta o consumo de quase 2,5 milhões a mais de caixas do antibiótico. Ou seja, com seu poder de comunicação, se o Presidente tivesse ao menos incentivado o uso de máscaras, a situação talvez não fosse tão desesperadora no País.

Vida real. A pesquisa dos epidemiologistas da UFPB foi feita com base em dados da Anvisa. Segundo o estudo, os municípios que mostraram aumento no consumo do medicamento não tiveram redução na taxa de mortalidade da Covid-19.

Alerta. Mesmo não provocando risco de morte, como a cloroquina, o consumo de azitromicina em massa apresenta risco coletivo, segundo os infectologistas da universidade: aumenta a resistência bacteriana na população. A pesquisa foi realizada no âmbito do Projeto Mandacaru (reúne estudos sobre coronavírus).

Fogo. Em um ano de pandemia, Bolsonaro não foi a hospitais nem visitou doentes recuperados, também não foi a laboratórios. Dedicou-se a tratar de armas.

Já Elvis. Jair Bolsonaro já se decidiu e pretende anunciar a demissão do presidente do Banco do Brasil, André Brandão, até o fim da semana que vem.

Vapt. Até os deputados indicados pelos líderes para debater a PEC da Blindagem foram pegos de surpresa com a velocidade da proposta. Na segunda, o texto já estava pronto.

Vupt. O projeto da Câmara que regulamentará onde e como deputados ficarão presos, em caso de flagrante sob custódia do Congresso, deve ser votado só quando e se a PEC for promulgada.

Em grupo. Senadores próximos a Rodrigo Pacheco (DEM-MG) apontam que ele, apesar de ter sido consultado sobre a proposta, avalia jogar a decisão de eventual votação para o colégio de líderes para evitar desgaste pessoal.

CLICK. Baleia Rossi (MDB-SP) e Simone Tebet (MS) conversaram sobre estratégias para retirar da PEC Emergencial trecho sobre pisos de saúde e educação.

Dislike. O governador Romeu Zema (Novo-MG) chamou a PEC da impunidade da Câmara de “vergonha”, “escárnio” e “surreal”. "Estão querendo livrar bandidos de ir para a prisão. Nós deveríamos estar caminhando no sentido oposto", afirmou à coluna.

Pronto, falei!

"São Paulo pode ser o próximo dominó a cair nesta reação em cadeia. Seremos o primeiro país do mundo a sofrer um 'apagão sanitário' nacional”

Miguel Nicolelis, cientista

MATÉRIAS RELACIONADAS