Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Estado de São Paulo

Ruídos entre Lira e Pacheco só aumentam

| 09/08/2021, 08:23 08:23 h | Atualizado em 09/08/2021, 08:30

Os ruídos entre Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Arthur Lira (PP-AL) não se restringem à “agenda bolsonarista”. Um dia antes de a MP do Ambiente de Negócios caducar no Senado, o presidente da Casa acatou 69 emendas ao texto e o devolveu para a Câmara. Lira ignorou tudo e, com apoio dos líderes de bancada, colocou em votação o original aprovado por ele e seus colegas.

A interlocutores, o presidente da Câmara tem reclamado da forma como o Senado trata as matérias recebidas dos deputados: com lentidão e ainda apontando “jabutis”.

Lista. Além da MP, a lentidão do Senado em projetos sobre o reconhecimento da educação como atividade essencial na pandemia e as novas regras do licenciamento ambiental, por exemplo, também têm incomodado Arthur Lira.

Lado B. No entorno de Pacheco, senadores reclamam da forma como o presidente da Câmara tem “tratorado” pautas importantes, sobretudo na volta dos trabalhos após o recesso.

Marca. Citado como presidenciável, Pacheco busca conferir “personalidade”, segundo um aliado dele, à gestão na presidência.

DNA. Pacheco disse que a decisão de Lira feriu a soberania do Senado e chegou a convidar o presidente da Câmara para um papo na sexta-feira, mas desmarcou a conversa.

DNA 2. Um colega de Pacheco avalia que o estilo mineiro prevaleceu: o presidente do Senado costuma reagir somente quando a corda está para arrebentar.

Um por todos. Luiz Fux sempre foi apontado como um magistrado afeito ao “corporativismo”. Quem conhece bem o presidente do STF diz que foi justamente essa característica, acima de qualquer outro motivo, que o levou a comprar a briga de Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes contra Bolsonaro.

Dentro. O diretório municipal do PSDB em São Paulo diz que vai participar de todos os atos nas ruas contra Jair Bolsonaro, independentemente se de esquerda ou de direita. A decisão contraria orientação do comando nacional do partido.

Dentro 2. Alvos da esquerda e do MBL, tucanos têm sido as visitas inconvenientes nas manifestações.

Desafios. O relatório Desafios da Gestão Municipal, feito pela Macroplan, projetou como deverá ser o pós-pandemia dos 100 maiores municípios brasileiros.

Desafios 2. Os resultados mostram que será ainda mais difícil para esses municípios alcançarem patamares competitivos com os de países desenvolvidos.

Distância. ”A preocupação é que a pandemia tenha tornado o caminho ainda mais longo”, diz Adriana Fontes, coordenadora do estudo. Ideb abaixo dos valores de referência no ensino fundamental 2, falta de esgoto tratado e a alta taxa de homicídios são os principais problemas.
Repercussão. “Entre os municípios que são populosos, mas têm baixa receita per capita e alta vulnerabilidade social, as receitas são ainda mais limitadas e os repasses insuficientes. A iniquidade federativa precisa ser enfrentada”, afirma Gilberto Perre, da FNP.

CLICK. Karim Miskulin, CEO do Brasil de Ideias, com o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (à esquerda), e o presidente da Assembleia Gaúcha, Gabriel Souza.

Pronto, falei!

O governo federal vai colocar em prática
com a PEC dos precatórios o populismo fiscal, copiando o que ocorreu em 2013/2014 no Brasil”

MATÉRIAS RELACIONADAS