Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Estado de São Paulo

Nunes Marques deixa espada sob Lula e Moro

| 10/03/2021, 08:22 08:22 h | Atualizado em 10/03/2021, 08:36

O freio dado por Nunes Marques foi lido no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Congresso como sintoma da dificuldade de Jair Bolsonaro após a decisão de Edson Fachin: ao pedir vista na Segunda Turma, o único ministro indicado pelo Presidente preferiu ganhar tempo.

Afinal, a suspeição de Sergio Moro interessa ao Planalto, porém, o efeito colateral dela seria devolver, quase definitivamente, os direitos políticos de Lula.

Por ora, Nunes Marques optou por manter o ex-juiz e o petista em campo no jogo pré-eleitoral, mas com as espadas apontadas para suas cabeças.

Brasa acesa. Prevalecendo a decisão de Fachin, algum dia juízes de Brasília podem reacender os processos contra Lula. O tempo é curto para eventuais condenações, mas não é impossível, dizem juristas.

Natureza. O entendimento dos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski passa pela teoria da árvore envenenada: Moro é suspeito e, portanto, tudo do processo deve ser anulado e começar do zero.

A ver. Se dá tempo para Bolsonaro respirar, o stand-by de Nunes gera insegurança jurídica a respeito dos processos de Lula. Da forma como está hoje, com base na decisão de Fachin, o juiz federal que receber o caso do petista poderá começar a trabalhar já a partir do oferecimento da denúncia, bem avançado.

Zagueiro. Agora, a bola fica no campo de Nunes Marques: se ele demorar muito para devolver a vista, o processo contra o ex-presidente pode avançar mais rapidamente no Distrito Federal.

Não tá comigo. Fachin procurou Luiz Fux para que o caso fosse levado ao plenário. Ouviu do presidente do STF que não havia jeito.

Ainda... Apesar de estar enfrentando seu pior momento desde o início da Lava a Jato, Moro pode se assumir como “herdeiro” do combate à corrupção no País após o fracasso de Bolsonaro nesse quesito.

...pulsa. “Lula preenche com facilidade o corredor da classe D. Bolsonaro segue se conservando na C. Sobra a classe B para ser disputada. Moro se encaixa nesse perfil”, diz Bruno Soller, do Instituto Travessia, de análises e pesquisas.

Nas... Quem já foi alvo do juiz Marcelo Bretas ficou aliviado com o voto de Gilmar Mendes. A leitura é de que ele se referia ao caso do advogado suspeito de vender acesso ao juiz.

...entrelinhas. Os alvos acham que o sinal é de que Bretas será o próximo a entrar na linha de tiro. Gilmar disse não saber como “o escândalo (da vara de Bretas) ainda não veio à tona”.

Apelo. Governadores devem publicar nova carta com um pacto nacional de enfrentamento à Covid-19. Apesar da iniciativa, os gestores estaduais admitem que ela servirá mais como um chamamento à sociedade para a grave situação.

Apelo II. “Ou a gente avança em uma coesão nacional para aumentar o isolamento e conter aglomerações ou o Brasil vai virar uma nova Manaus (AM)”, afirma a governadora Fátima Bezerra (PT-RN).

Hora H. Da vereadora paulistana Cris Monteiro, sobre a decisão de seu Partido Novo de aderir à oposição a Bolsonaro: “É momento de bater martelo nos princípios liberais do nosso partido. Em tudo”.

CLICK. Marcos Pereira, do Republicanos (à esquerda), se reuniu com o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM-SP). O partido estuda apoiá-lo na disputa pelo Bandeirantes.

Pronto, falei!

"Já havia excesso de mortes em janeiro e fevereiro em São Paulo. Nada a ver com variantes, mas com a esbórnia iniciada com eleições, Natal, réveillon e férias".

Paulo Lotufo, epidemiologista e professor da USP

MATÉRIAS RELACIONADAS