Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Estado de São Paulo

Novela tucana caminha para o final na Câmara

| 07/02/2020, 08:01 08:01 h | Atualizado em 07/02/2020, 08:31

Após manobras e reviravoltas dignas dos piores dramalhões mexicanos, a novela da disputa pela liderança da bancada do PSDB na Câmara dos Deputados, que se arrasta desde o fim do ano passado, caminha rumo a um final feliz para João Doria. A provável escolha definitiva de Carlão Sampaio (SP) para comandar os tucanos na Casa significará, se efetivada, a derrota de Aécio Neves, padrinho da candidatura Celso Sabino (PA). O governador teria conseguido o apoio de Beto Pereira (MS), disposto a abrir mão de concorrer em prol de Sampaio.

Nova temporada. O fim da novela será sinal importante de reunificação do PSDB, vital para os planos do partido de ter candidato a presidente em 2022.

Para lembrar. Pereira chegou a ser escolhido líder em votação no fim do ano passado. Mas uma guerra de listas decorrente da queda de braço Doria x Aécio implodiu a bancada e Sampaio assumiu “mandato-tampão” até este mês.

Melhor não Se ficar mesmo com a liderança, Carlão Sampaio deverá desistir de ser candidato a prefeito de Campinas (SP).

Justiça divina? Quis o destino que os R$ 34,9 milhões que Paulo Maluf mantinha na Ilha de Jersey voltassem para São Paulo na administração Bruno Covas. Mario (1930-2001), avô do prefeito, foi ferrenho adversário de Maluf.

Uia. A escolha pelo governador João Doria de Elizeu Soares Lopes como novo ouvidor das polícias de São Paulo, vejam só, agradou ao grupo de advogados “progressistas”.

Prerrogativas “Agradou a gregos e a troianos, advogados conservadores e progressistas”, diz Marco Aurélio de Carvalho.

CLICK. A ministra Damares Alves vestiu azul e rosa para a reunião ministerial dos 400 dias de governo. A polêmica sobre as cores alavancou a popularidade dela.

Contando. Os mais atentos não deixaram de reparar em um detalhe da entrevista de Jair Bolsonaro ao Estado. Questionado sobre como foram seus 400 dias no Planalto, ele respondeu: “Agora só faltam 1.060”.

Logo ali. A reforma administrativa deve ir do Executivo para o Congresso no começo da próxima semana. O ministro da articulação, Luiz Eduardo Ramos, esteve com Rodrigo Maia, presidente da Câmara, ajustando os últimos ponteiros.

Ops. A demissão de Gustavo Canuto não foi conversada nem com auxiliares próximos. Palacianos ficaram sabendo horas antes. O Presidente queria evitar que o Desenvolvimento Regional voltasse a ser alvo de “indicações” do Congresso. Davi Alcolumbre, por exemplo, tinha dois nomes na manga para sugerir.

Vixe. Depois de 20 anos, uma dívida trabalhista do Rio, de R$ 50 milhões, com ferroviários, foi reconhecida pelo governo no fim de 2019. Porém, o procurador do Estado Carlos André Baptista mandou indenizar os trabalhadores com precatórios, certificados sem data para ser pagos.

Pobres... O TST já decidiu que o pagamento não pode ser por precatórios, como propõe o governo Wilson Witzel. A dívida é da Central Logística, empresa pública responsável pelas operações ferroviárias do Rio de Janeiro que ainda não foram privatizadas.

...ferroviários. Pelo menos 70 servidores já morreram, diz o sindicato da categoria, enquanto o processo se arrasta. O pagamento, quando for feito, beneficiará cerca de três mil trabalhadores (ativos e inativos).

BOMBOU NAS REDES!

Sobre o ministro da Educação

"Impeachment só porque o ministro Abraham Weintraub não reza na cartilha do Todos pela Educação? Respeitem o resultado das urnas".

Bia Kicis, deputada federal (PSL-DF)

MATÉRIAS RELACIONADAS