Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Estado de São Paulo

Discursos duros abrem as feridas no Supremo

| 18/10/2020, 08:12 08:12 h | Atualizado em 18/10/2020, 08:16

O julgamento do caso André do Rap no Supremo Tribunal Federal cutucou velhas feridas e abriu outras de difícil cicatrização. Para além do placar acachapante pela manutenção da ordem de prisão do traficante (9 a 1), o que mais doeu em Marco Aurélio Mello, segundo quem conhece o ministro, foram a forma e o conteúdo das falas de alguns de seus colegas em plenário.
Em linhas gerais, discursos duros, que só expuseram o caso concreto da fuga do traficante e se desviaram da “tecnicidade jurídica” em questão, o artigo 316 do Código Penal.

Doeu

O voto mais simbólico foi o de Luiz Fux. O presidente da Corte disse que André do Rap “debochou da Justiça” ao fugir, após ter sido beneficiado pela liminar de Marco Aurélio. A interpretação: há sócios nesse “deboche”.

Duro

Quem também pegou pesado foi Alexandre de Moraes: André do Rap é um criminoso “de altíssima periculosidade”, um “escárnio à polícia e à Justiça”.

“In the rain”

A percepção na comunidade jurídica é de que Fux e alguns de seus pares deixaram Marco Aurélio, o decano da Corte com a aposentadoria de Celso de Mello, completamente na “chuva” nesse episódio.

Outras vias

Segundo quem entende bem dos bastidores e das histórias do STF, havia maneiras mais sutis e diplomáticas de Fux ter conduzido o caso desde o início sem precisar ter compactuado com a decisão de Marco Aurélio.

CLICK

O ex-ministro da Justiça José Gregori, que completou 90 anos dia 13 deste mês, recebeu Luís Sobral em casa para no bate-papo em rede social.

Fila

O senador Carlos Fávaro (PSD-MT) está cotado para assumir a vaga de vice-líder deixada por Chico Rodrigues (DEM-RR).

Ufa?

Escatológico e escandaloso, o caso do dinheiro na cueca de Rodrigues poderia ser ainda pior se tivesse acontecido com um deputado, observam assessores palacianos.

Simbólico

No Senado, a nomeação dos vice-líderes é de competência do líder do governo na Casa, Fernando Bezerra (MDB-PE). Na Câmara, ela é do presidente da República.

Não quero nem pensar

Além disso, a aproximação com o Centrão na Câmara já é polêmica por si só na base de Bolsonaro.

Ops

Em Boa Vista (RR), há expectativa de que o caso do dinheiro da cueca reverbere na eleição local: os adversários de Shéridan (PSDB), apoiada pelo DEM de Chico Rodrigues, devem explorar o episódio.

Segue…

Apesar de a investigação apontar para irregularidades na utilização de emenda parlamentar no caso do dinheiro na cueca do senador Rodrigues, o Planalto não pretende mudar a forma nem o volume de distribuição de recursos.

…a vida

O entendimento é que checar o bom uso do dinheiro cabe aos órgãos de fiscalização e à polícia, como foi o caso.

Aff

Enquanto um aliado do governo esconde dinheiro na cueca, a Abin é usada pelo Palácio do Planalto para monitorar “campanhas internacionais”...

Bom uso...

O candidato a vereador em São Paulo Luis Sobral (PSD) tem feito lives diárias, ao meio-dia, durante a sua agenda para ouvir e debater questões da cidade no Instagram.

...das redes

Os temas abordam questões de áreas como cultura, urbanismo, e atuação dos vereadores.

Pronto, falei!

"Não compreendo os senadores não apoiarem o afastamento daquele que escondeu dinheiro no corpo. Trata-se de proteção do Senado como instituição”

Janaína Paschoal, deputada estadual (PSL-SP)

MATÉRIAS RELACIONADAS