Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Colunista

Estado de São Paulo

Após Bivar ceder a Lula, União flerta com o PT em São Paulo

| 01/08/2022, 10:08 10:08 h | Atualizado em 01/08/2022, 11:12

Enquanto Luciano Bivar (União) e Lula costuravam um acordo na esfera nacional que levou o presidente do União Brasil a sair da corrida ao Palácio do Planalto, em São Paulo, Antonio Rueda e Júnior Bozella (União) abriram conversas com Luiz Marinho, presidente estadual do PT.

O diálogo é tratado pelo partido como um plano B para o caso de Rodrigo Garcia (PSDB) não ceder a vaga de vice em sua chapa, como deseja o União Brasil.

Para petistas, o melhor dos mundos seria a sigla entrar na chapa de Fernando Haddad (PT) trazendo seu mais importante ativo: o tempo de TV. Mas caso a aliança não seja possível, a simples neutralidade do União em SP já seria útil ao PT para minar a candidatura de Garcia.

RECALCULANDO. Por um acordo firmado em maio com o PSDB, o União ficou de indicar o candidato ao Senado e o MDB, o vice na chapa de Garcia. Mas o União resiste em aceitar o combinado, prevendo que o arranjo dará força desproporcional ao MDB em 2026

NÃO VAI. Aliados de Garcia não acreditam em um acordo entre o União e o PT e citam como evidência do descrédito a presença de Rueda na convenção do PSDB, no sábado. Até o fim da noite de sexta, porém, Rueda dizia a aliados que não iria ao evento. Só mudou de ideia no sábado de manhã.

CLICK. Rodrigo Garcia, governador de São Paulo (PSDB), sentado no chão, ao lado da mulher, Luciana, na arena montada no Ginásio do Ibirapuera durante a convenção do PSDB que oficializou a sua candidatura.

Imagem ilustrativa da imagem Após Bivar ceder a Lula, União flerta com o PT em São Paulo
 

SEM TEMPO. Ausência marcante na convenção de Tarcísio de Freitas (Republicanos), o presidente do PSD, Gilberto Kassab, preferiu viajar ao Maranhão, onde participou do lançamento da campanha de Edivaldo Holanda Jr (PSD). Kassab já disse preferir Lula a Bolsonaro.

COBERTOR… Com o bloqueio extra do Orçamento decretado na noite da última sexta-feira, o Ministério da Economia deixou disponível para saldar o pagamento de emendas parlamentares do orçamento secreto apenas R$ 850 milhões até o fim do ano. Não será suficiente para dar conta dos compromissos já firmados pela cúpula do Congresso, com deputados e senadores da base aliada.

…CURTO. O relator do Orçamento deste ano, Hugo Leal (PSD-RJ), autorizou o pagamento de R$ 12,3 bilhões em emendas com o aval de Arthur Lira (PP-AL), mas até agora só foram empenhados R$ 8,2 bilhões. O restante viria após a eleição, segundo o combinado político.

SINAIS PARTICULARES. Arthur Lira, presidente da Câmara (PP-AL)
SINAIS PARTICULARES. Arthur Lira, presidente da Câmara (PP-AL) |  Foto: KLEBER SALES/ESTADÃO
 

PROMESSAS. Com o bloqueio extra, que congelou principalmente essas emendas, R$ 3,2 bilhões já prometidos a parlamentares estão em suspenso e correm o risco de não serem pagos.

RELAÇÃO… Membro da executiva nacional do PT, Jilmar Tatto defenderá na reunião do grupo desta semana que o partido apoie Rodrigo Neves (PDT) no Rio. A leitura é que Marcelo Freixo (PSB) já apoia Lula e que, com a adesão ao candidato do PDT, Lula ampliaria o arco de alianças e teria dois palanques no estado, em vez de um.

…ABERTA. O pano de fundo é a insistência do PSB em lançar Alessandro Molon ao Senado, a contragosto de André Ceciliano (PT).

PRONTO, FALEI

"De Bivar a Janones, é preciso união de forças contra um golpe de Bolsonaro. Se o PT reúne as melhores condições para evitá-lo, isso tem que ser discutido”. Júnior Bozella, deputado federal (União-SP)

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

MATÉRIAS RELACIONADAS