Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Cláudio Humberto

Cláudio Humberto

Colunista

Cláudio Humberto

Saúde é, de longe, o principal tema da eleição

| 28/09/2020, 10:35 10:35 h | Atualizado em 28/09/2020, 10:37

Levantamento exclusivo do Paraná Pesquisa para o site Diário do Poder e esta coluna revela: a saúde é o tema que os eleitores mais gostariam que candidatos a prefeito debatessem na campanha.

O tema é citado por 37,8% dos entrevistados. Em seguida está o tema emprego (11,1%) e a educação (8%) em terceiro. Segurança (6,3%) e renda/economia (5,6%) fecham o “Top 5” dos temas mais importantes para o eleitor.

Saúde para todos
Em todos os recortes da pesquisa, a saúde é o tema principal. Não importa idade, escolaridade, sexo, situação econômica ou região.

Realidade prática
A manutenção de ruas e calçadas (2,4%) é um assunto mais relevante que a pandemia, segundo esse levantamento Paraná Pesquisa.

Polêmicas de “setor”
Direitos das minorias (1,2%) e área social (1,1%) são os temas menos relevantes, dizem os eleitores. Outros, como aborto, nem foram citados.

Dados
O Paraná Pesquisas ouviu 2.008 brasileiros em 232 municípios do País, entre os dias 21 e 24 de setembro.

Irmã de Guedes desaprova fim da isenção no Prouni
A proposta de reforma tributária defendida pelo Ministério da Economia prevê o fim da isenção fiscal das bolsas oferecidas pelo Prouni, elevando a carga tributária dos atuais 0,8% para 8,8%, sem compensação do governo. A presidente da associação das universidades privadas (Anup), Elizabeth Guedes, que é irmã do ministro Paulo Guedes, estima que será o fim imediato de 150 mil bolsas, que atendem pessoas que são carentes.

Pânico na tesouraria
As universidades particulares alegam preocupação com os carentes, mas a rigor estão em pânico com a ameaça de perder faturamento.

Pedido de mudança
Alunos carentes podem perder acesso ao ensino superior caso não haja mudança na proposta de reforma, diz a Anup de Elizabeth Guedes.

Perfil dos alunos
Jovens beneficiados pelo Prouni trabalham, estudam à noite, moram com mais de 7 pessoas e são os primeiros na família a fazer ensino superior.

Relação duradora
Líder do governo, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) acredita no que ele descreve como “base sólida” do governo Bolsonaro no Congresso para derrubar os vetos, esta semana, e aprovar reformas, este ano.

Que pandemia?
Ao contrário do que faz parecer o noticiário, apenas 2,2% dos eleitores apontam a pandemia como o tema que deveria ser prioritário, na campanha desde ano, segundo levantamento do Paraná Pesquisa.

Crescimento em “V”
O relatório Oxford Economics aponta que a produção industrial, o setor de construção e o setor de serviços no Brasil vão crescer sem parar até meados de 2021, recuperando as perdas provocadas pela crise.

PIB e inflação
Nova análise do Ministério da Economia estima que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve recuar 4,7% este ano. Ficaram para trás previsões catastróficas como do FMI, que apontavam tombo de até 9,5%.

Imunidade manauara
Manaus foi atingida em cheio pela Covid no primeiro semestre e chegou a registrar 4,5 vezes o número de mortes previsto para o período. Agora, um estudo publicado na medRxiv.org sugere que a cidade atingiu a tal “imunidade de rebanho”, com cerca de 52% da população infectada.

Protestos em Hong Kong
Os protestos em Hong Kong, que ainda tomam a ilha, celebram hoje seis anos. Surgiram em resposta a reformas políticas restritivas impostas pelo governo comunista chinês, “dono” da ilha.

Blockchain na vacina
O Brasil vai usar blockchain para registrar a vacinação contra a Covid, revelou o Ministério da Justiça, esta semana. A tecnologia é usada em criptomoedas, com transparência, privacidade e dados descentralizados.

Pensando bem...
...todo ano é a mesma história: o fogo começa na época da seca e acaba com as chuvas. Só muda o culpado.

Poder sem pudor

A lua é dos astronautas
Na ditadura, quando se especulava sobre o sucessor do general Emílio Médici, o jornalista Mauro Santayana encontrou o deputado Zezinho Bonifácio, ardente defensor do regime, e reproduziu uma frase célebre: “No regime presidencialista, é indispensável que a escolha do primeiro mandatário respeite as forças políticas da Nação”.
Zezinho reagiu: “Quem disse essa asneira?” Santayana tripudiou: “Seu pai, José Bonifácio, quando se rebelou contra Washington Luís”. Zezinho não perdeu o rebolado: “Isso foi no tempo em que a Lua era de S. Jorge. Hoje é dos astronautas...”

MATÉRIAS RELACIONADAS