Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Cláudio Humberto

Cláudio Humberto

Colunista

Cláudio Humberto

Profissionais de saúde são os “Vencedores de 2020”

| 23/12/2020, 07:15 07:15 h | Atualizado em 23/12/2020, 07:18

Levantamento em todo o País realizado pelo instituto Paraná Pesquisa com exclusividade para esta coluna e para o site Diário do Poder mostra como os brasileiros estão reconhecendo o trabalho dos profissionais de Saúde em 2020: 56% dos entrevistados os consideram “os grandes vencedores” do ano da pandemia do coronavírus.

Médicos, enfermeiros, técnicos etc lideram a pesquisa em todos os recortes demográficos e geográficos. Em segundo lugar aparece o presidente Jair Bolsonaro com 20,2%. E em terceiro lugar, com 14,9%, a própria Covid-19 venceu.

De Maia a pior
Apenas 2,2% dos entrevistados pelo Paraná Pesquisas apontam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, como é “vencedor” do ano.

STF nem pensar
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, que tomou posse recentemente, foi apontado “grande vencedor” por 1,9% do total.

Senado, então...
A figura apagada de Davi Alcolumbre, presidente do Senado, é o último da lista: 0,8% dos votos. Outros 3,9% não sabe ou não opinou.

Dados da pesquisa
O Paraná Pesquisas entrevistou 2.218 brasileiros entre os dias 18 e 22 de dezembro em 248 municípios das 27 unidades da federação.

Alcolumbre quer
“saída honrosa” elegendo sucessor
Abalado pela derrota no Supremo Tribunal Federal (STF), que impediu sua candidatura à reeleição, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, dá sinais de abatimento, segundo aliados, após a eleição para prefeito de Macapá (AP). Apesar da pose de político mais influente do Estado, Alcolumbre não conseguiu eleger o próprio irmão. Agora, tenta uma “saída honrosa”: escolher quem será eleito presidente do Senado.

Sobrevivência
Até para sobreviver politicamente no Amapá, Alcolumbre está aflito para dar uma demonstração de força que, a rigor, ele já não tem.

Só com guindaste
Demonstração de força seria eleger o mineiro Rodrigo Pacheco (DEM). Espera ajuda do governo para isso, mas o Planalto tem outros planos.

Relevância no saco
Com o início do recesso hoje, Alcolumbre, tanto quanto Rodrigo Maia na Câmara, perde relevância na briga pela própria sucessão.

Bancada do holofote
A Câmara escolheu a “comissão” que fará de plantão durante o recesso. São 17 deputados, incluindo Rodrigo Maia, que deseja garantir os holofotes e revela constrangedora dificuldade de largar o osso.

Reciprocidade neles
É antiga a hostilidade da imigração portuguesa a brasileiros, sobretudo se são negros ou mulheres desacompanhadas. Houve uma trégua em 1993, quando o presidente Itamar Franco, a pedido do embaixador José Aparecido, adotou reciprocidade e passou a barrar portugueses também.

Água mole
em pedra dura
Baleia Rossi (MDB-SP) - foto - tenta desde agosto viabilizar sua candidatura à presidência da Câmara, como o site Diário do Poder revelou em primeira mão. Pode até não ganhar, mas está vencendo os aliados pelo cansaço.

Maior da História
O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, comemorou a operação da PF, na Amazônia, que fez a maior apreensão de madeira ilegal da história do País: 131 mil metros cúbicos.

Tirando a poeira
Deputados do Novo criaram lista de matérias relevantes para o Brasil e cobram inclusão na pauta pelo próximo presidente da Câmara. Reformas tributária, administrativa, política, pacto federativo e privatizações, prisão em 2ª instância e fim do foro privilegiado. Todas na gaveta de Maia.

Sistema vergonhoso
Suzane von Richthofen está entre os 32 mil bandidos que ganharam o benefício do “saidão de Natal”. Certamente para celebrar a data com a família que assassinou cruel e covardemente. Que vergonha.

Viés autoritário
O senador Angelo Coronel (PSD-BA) quer criminalizar a “oposição a vacinação” e punir a divulgação de notícias falsas sobre vacina. Não explicou quem vai determinar o que é oposição ou notícia falsa.

Pensando bem...
...já tem gente acreditando que o Rio de Janeiro só muda para melhor sem governador e sem prefeito.

Desfile na Câmara
A deputada Joice Hasselman (PSL-SP) - foto - chegou chegando na Câmara, segunda, no fim da tarde. Adentrou o Salão Verde com sua entourage de estilo, estreando cabelos novos e vestindo vermelho.

Poder sem pudor

Poço de mágoas
No afã de livrar do assédio dos repórteres, Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), era candidato do governo Lula à presidência da Câmara, quando deixou escapar: “O deputado João Paulo Cunha chega tarde à minha campanha...” Referia-se ao então ocupante do cargo, que relutou em apoiá-lo. Mas depois, advertido por assessores, o inábil Greenhalgh, que seria derrotado por Severino Cavalcante, corrigiu: “Eu quis dizer que ele chega à tarde para a minha campanha...” Ah, bom.

MATÉRIAS RELACIONADAS