Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo

Imagem do colunista Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo

Autossabotagem na pandemia

08/04/2021 10:12:27 min. de leitura

Só mesmo a autossabotagem para explicar a enxurrada de sentimentos contraditórios que vem nos afligindo nesta pandemia. Ok, o momento é delicado, estamos todos fartos de notícias ruins, mas nada – além de uma subliminar autossabotagem – explica esse misto de paralisia e revolta com tiro no pé que temos visto tomar conta de pessoas que, em tempos normais, seriam... normais!

Uma das explicações para autossabotagem é que é um mecanismo que nos afasta dos nossos objetivos. Por esse motivo, achei interessante compartilhar aqui dicas de como reconhecer quando ela está agindo sobre nós.
O ponto de partida é coragem para encarar-se no espelho interior e um mergulho sincero rumo ao autoconhecimento.

Não é simples, mas vai ficando mais fácil à medida que nos acostumamos a olhar e analisar nossos sentimentos! 

Segundo o filósofo Gad Adler, nossa mente tem estratégias defensivas que criam ações automáticas em situações de conflito ou forte estresse psicológico gerado por uma luta interna na qual não conseguimos encontrar uma solução fácil.

Em alguns casos, essas estratégias são prejudiciais à nossa vida porque representam obstáculos que tornam mais difícil a caminhada em direção aos nossos objetivos.

É quando, de forma consciente ou inconsciente, colocamos em prática mecanismos que nos dificultam o alcance dos nossos objetivos.

O que causa isso?

Vários fatores, como, por exemplo, ter expectativas muito altas ou buscar o perfeccionismo em tudo, levando-nos a pensar que não somos capazes. Assim, por medo do fracasso, criamos estratégias em favor desse sentimento de incapacidade.  

Assim, parte do pensamento negativo surge do medo de falhar. Nossa mente tenta nos proteger de sentimentos ou situações desagradáveis, ao mesmo tempo que desenvolve uma intolerância à incerteza. 

Em suma, nós preferimos a certeza do fracasso e da previsibilidade ao desconhecido, tornando-nos, assim, os nossos piores inimigos. 

E por qual razão nos sabotamos? 

As causas podem ser as mais diversas, como: medo do desconhecido, expectativas muito altas, sentimento de incapacidade, uma baixa autoestima, não saber lidar com imprevistos e, finalmente, não estar preparado emocionalmente para uma determinada situação. 

É comum surgir um sentimento de indecisão e medo, o que dificulta a tomada de decisões e ações para atingir o seu propósito, fazendo com que as escolhas e ações que se aproximam do objetivo sejam boicotadas inconscientemente.  

Esses sintomas, algumas vezes, não são fáceis de reconhecer, especialmente, se sustentados pela dúvida de querer ou não aquele resultado específico.

Por isso, é essencial aprender a se conhecer e entender o que realmente desejamos concretizar na vida.

Ajuda também um constante exercício de conscientização para dominar nossa mente.

Só assim conseguimos nos libertar dos obstáculos que nos impedem de alcançar objetivos – que, muitas vezes, são mais simples do que parecem – e o caminho para a realização de nossos sonhos.