X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Seis brasileiras são premiadas no programa 25 Mulheres na Ciência da América Latina

Premiação considerou impacto social, inovação e viabilidade

Agência Folhapress | 23/02/2022 16:49 h

O desenvolvimento de uma droga inovadora para tratar a leucemia infantil a partir de uma enzima modificada de bactéria, novos alvos moleculares para produção de medicamentos mais eficazes contra esquistossomose e uma nova técnica para detectar a presença do Sars-CoV-2 no organismo com custo de 5 a 10 vezes menor comparado ao RT-PCR.

Estes são alguns dos projetos de pesquisa coordenados por cientistas brasileiras que integram o programa 25 Mulheres na Ciência da América Latina, organizado pela empresa 3M para incentivar e reconhecer trabalhos com impacto positivo para gerar mudanças e estimular novas gerações de meninas e mulheres a atuarem na área científica, principalmente em Stem (sigla em inglês para ciência, tecnologia, engenharia e matemática).

Dentre as 25 premiadas, seis são brasileiras. O país contabilizou junto com o México o maior número de premiações de pesquisadoras, atuando principalmente em áreas de inovação tecnológica na saúde e soluções sustentáveis para o meio ambiente.

A bióloga Renata Bannitz Fernandes é a principal pesquisadora do projeto que criou um fármaco inovador a partir da enzima asparaginase, originária do fungo Aspergillus fumigatus, e que já é utilizada no tratamento de alguns tipos de câncer linfático, para o tratamento da leucemia mieloide aguda infantil.

Já a engenheira mecânica Rosângela Silqueira Hickson Rios, professora e coordenadora do curso de pós-graduação em tecnologias aplicadas à saúde da Faculdade Promove Tecnologia, em Belo Horizonte (MG), conseguiu identificar a partir de um banco com mais de 300 milhões de sequências moleculares três potenciais alvos para o desenvolvimento de uma droga mais eficaz no tratamento de esquistossomose, doença causada por verme parasitário de água doce.

Assim como outras doenças tropicais negligenciadas, a esquistossomose está intimamente associada à falta de acesso a saneamento básico. Segundo o Ministério da Saúde, 1,5 milhão de brasileiros vivem em risco para esquistossomose no país.

A única droga disponível no mercado, segundo Rios, foi desenvolvida na década de 1970 e não é tão eficaz. "As farmacêuticas não têm interesse em desenvolver remédios para doenças negligenciadas porque elas são muito comuns em países de baixa e média renda, que não terão poder de comprar, e não geram lucro", afirma.

Sua pesquisa inovadora contou com um mapeamento feito totalmente em computador das proteínas que podem ser alvo para as novas drogas e deverá iniciar os testes para verificar a eficácia em breve.

A farmacêutica Andreza Francisco Martins, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), desenvolveu um método capaz de detectar o coronavírus Sars-CoV-2 em esfregaços do nariz ou da boca de pacientes com suspeita de Covid com resultado mais rápido do que o do teste RT-PCR, considerado padrão-ouro, e custo até dez vezes menor.

"A dependência no Brasil de insumos importados e a flutuação do dólar faz com que muitos dos testes de Covid-19 tenham preço elevado, não sendo de fácil acesso. A nossa técnica é muito mais custo-efetiva e pode ser usada, passada a pandemia, inclusive para detecção de outros vírus, como dengue, zika, entre outros", diz. O teste utiliza o equipamento Maldi-TOF, que é um espectrômetro de massa, para identificar proteínas do vírus.

Outras pesquisas premiadas foram o desenvolvimento de um tipo de biomaterial mais eficiente e de menor custo para próteses e implantes, como para tratamento de hérnia de disco, da radiologista Esther Pereira; a identificação de um marcador molecular para doença isquêmica, capaz de refinar o diagnóstico para infarto do miocárdio, procedimento hoje que pode levar até seis horas em hospitais do país, da bióloga Gabriela Venturini da Silva; e uma nova rota enzimática para reaproveitamento de plástico a partir de enzimas já conhecidas utilizadas na quebra de rejeitos de cana-de-açúcar, da também bióloga Thamy Lívia Ribeiro Côrrea.

A cerimônia de apresentação das premiadas foi realizada na manhã desta quarta-feira (23), por meio de plataforma virtual. Foram premiadas também cientistas da Colômbia (4), Chile (3), Costa Rica (2), Panamá (2), Argentina (1) e Peru (1).

De acordo com um levantamento recente da Fundação EoS para a equidade de gênero, chamado "Women's Power Gap", mais de 55% dos títulos de doutorado nas 130 universidades de elite nos Estados Unidos são de mulheres, mas apenas 22% chegam a ser diretoras, chefes de departamento ou reitoras nas mesmas instituições de pesquisa. Esses números caem para 19% e 5%, respectivamente, quando consideradas mulheres não brancas.

No Brasil, de acordo com os dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligado ao MEC, mais da metade (54,5%) dos matriculados em programas de mestrado e doutorado no país são mulheres, mas elas correspondem a apenas quatro de cada dez docentes em universidades de ensino superior.

Ainda, segundo dados recentes da Unesco, menos de 30% das pesquisadoras em áreas de Stem são mulheres.

Para Gabriela Venturini da Silva, o interesse pela ciência veio desde pequena. "Desde que me conheço por gente eu queria descobrir algo. A minha geração sempre teve como modelo de cientista um homem, branco, do hemisfério norte, de jaleco, e não mulheres como nós. Então acredito que iniciativas como essa trazem para as futuras gerações de meninas cientistas que elas olhem para a gente e pensem que alguém com o corpo, a cor, o cabelo delas, a figura semelhante, possa ser cientista também", contou.

A premiação da 3M considerou aspectos como potencial impacto social direto ou indireto na América Latina; inovação; viabilidade; maturidade da ideia e capacidade e experiência. De acordo com a gerente técnica da empresa, Marcia Ferrarezi, ações do tipo são necessárias para ampliar o alcance das pesquisas científicas lideradas por mulheres e incentivar as gerações futuras.

"Estamos certos que esta iniciativa irá se consolidar e inspirar cada vez mais, não apenas as futuras gerações de mulheres cientistas, mas também várias organizações a promover programas como este e se juntarem à causa, que é promover a diversidade e inclusão na ciência", disse.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS