X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Ciência e Tecnologia

Entenda como funciona o aplicativo Discord e veja os cuidados

Plataforma tem sido apontada como uma terra sem lei onde grupos promovem conteúdos de crimes, como pedofilia, exploração sexual e incitação a ataques


Imagem ilustrativa da imagem Entenda como funciona o aplicativo Discord e veja os cuidados
Criado em 2015, o Discord se popularizou para bate-papo durante jogos online, em uma base de usuários adultos e menores de 18 anos, sem distinção ou barreiras |  Foto: Reprodução/Canva

O Discord, aplicativo online popular entre jovens e jogadores de videogames, funciona como uma plataforma de conversas em texto, voz e vídeo. O sistema criado em 2015 se popularizou para bate-papo durante jogos online, em uma base de usuários adultos e menores de 18 anos, sem distinção ou barreiras.

A plataforma, no entanto, virou terra sem lei em grupos que promovem conteúdo envolvendo exploração sexual, pedofilia, automutilação, racismo, maus tratos de animais e incitação a assassinatos. O Discord afirmou em maio que trabalha para barrar o que denominou de "conteúdo abominável".

Leia mais notícias de Tecnologia aqui

Segundo o Fantástico (Globo), o aplicativo também estaria sendo utilizado por abusadores para cometer crimes de violência contra garotas, com humilhação, agressão e ameaça de vazamento de fotos íntimas. Em entrevista ao Fantástico, o porta-voz da empresa disse que a plataforma remove conteúdos indevidos e há investigações de grupos que podem estar envolvidos em ameaças a crianças, para a retirada dos agentes.

Para especialistas, a versatilidade facilitou para que a plataforma se tornasse uma espécie de terra sem lei com grupos que encorajam crimes sexuais e violência.

Outra polêmica envolvendo o aplicativo ocorreu em abril deste ano: a plataforma foi utilizada para publicar imagens de documentos vazados detalhando informações secretas do Pentágono.

Especialistas consideram que o Discord é uma versão light do 4chan, o fórum anônimo de extrema direita conhecido por compartilhar teorias conspiratórias.

No final de 2021, o Discord tinha mais de 150 milhões de usuários ativos mensais, sendo avaliado em US$ 14,7 bilhões, de acordo com PitchBook, uma fornecedora de dados de mercado.

O QUE É O DISCORD E COMO FUNCIONA?

A plataforma foi criada em 2015 por Jason Citron e Stanislav Vishnevskiy, programadores de computadores e designers de jogos, com o intuito de facilitar a comunicação dos jogadores sem precisar interromper o jogo.

Na pandemia de Covid-19, o Discord popularizou-se além do nicho gamer, por ser uma plataforma que permitia uma forma simples de conversar com amigos e criar comunidades online.

O usuário tem de se cadastrar para participar dos servidores e também manter conversas individuais com outras pessoas. Na maior parte dos países, inclusive o Brasil, os termos de uso exigem idade mínima de 13 anos.

O Discord não possui uma linha do tempo contínua, sendo dividida em canais individuais, que funcionam como salas de bate-papo, em que o usuário participa de grupos sobre interesses específicos.

O funcionamento é semelhante ao dos grupos do Facebook, no qual os usuários podem se juntar tanto a servidores abertos ao público geral ou privados que necessitam de um convite para adesão.

Devido à natureza desses pequenos servidores privados, eles carecem frequentemente da moderação ou supervisão pela plataforma que um servidor público maior teria. 

POR QUE O DISCORD É TÃO POPULAR?

Fabio Assolini, diretor da Equipe Global de Pesquisa e Análise da Kaspersky, considera que a popularidade do Discord entre os adolescentes está na facilidade de uso, nos recursos oferecidos e na criação de comunidades.

"A plataforma começou a ficar bastante nichada com os gamers, atraindo um grande público adolescente; depois muitos Youtubers e criadores de conteúdo começaram a usar servidores do Discord para estreitar a relação com a sua comunidade. É um aplicativo muito bom para organizar as informações, onde você pode automatizar muitas das funções usando Bots, limites de compartilhamento de arquivos maiores, sendo uma plataforma muito versátil", diz.

Para ele, outro fator a ser levado em conta na popularidade da plataforma está na fraca moderação dos conteúdos postados.

"As redes mais populares, como o WhatsApp e YouTube, têm uma moderação mais forte e conseguem remover conteúdos do ar rapidamente, diferentemente do Telegram e Discord, em que ficam no ar por mais tempo." Segundo ele, esse ponto, alvo de ações judiciais contra o Telegram, também é um dos problemas do Discord.

O Discord enfrentou controvérsias ao longo dos anos com relação a conteúdo prejudicial divulgado em sua plataforma, como organizações nacionalistas brancas que organizaram o comício "Unite the Right", em Charlottesville, em 2017.

A empresa reforçou as suas ferramentas automatizadas para detectar mensagens de assédio ou ofensivas, mas depende também de membros dos servidores do Discord para denunciar violações à empresa.

COMO GARANTIR O USO SEGURO DO DISCORD?

Para Assolini, uma das formas de aumentar a segurança do uso da plataforma é com a utilização de antivírus que impeça malwares ou vírus de roubar dados dos usuários e o uso de software de controle parental para limitar o acesso do filho na rede.

"Tem várias funções no software de controle parental que os pais podem se familiarizar e devem usar para proteger o seu filho para não ter acesso a essas ameaças", diz.

Um estudo realizado no Brasil pela empresa de cibersegurança Kaspersky, em parceria com a consultoria Corpa, revela que 12% dos pais entrevistados flagraram algum desconhecido entrando em contato com os seus filhos pela internet.

Ele afirma que o público jovem é alvo desse tipo de crime e orientar o adolescente a bloquear sites ou usuários que sejam incômodos e desconhecidos são medidas que podem evitar possíveis riscos de exposição ou violência.

"É preciso ter uma boa conversa com o adolescente, franca e aberta, para o pai saber o que o filho está fazendo online, pois deixar a criança com o seu dispositivo sem nenhuma supervisão é algo muito arriscado", diz o diretor da Kaspersky.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: