X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Brasileiro de 5 anos é o mais jovem a descobrir asteroide no mundo

Natural de São Paulo, Miro Latansio Tsai sempre se interessou por assuntos relacionados a astronomia e ciência

Agência Folhapress | 07/02/2022 10:38 h

O ministro Marcos Pontes, Miro no colo do pai, Jack Tsai, e  Patrick Miller, membro da Iasc
O ministro Marcos Pontes, Miro no colo do pai, Jack Tsai, e Patrick Miller, membro da Iasc |  Foto: Reprodução
 

Um garoto brasileiro de cinco anos de idade foi reconhecido por ser a pessoa mais jovem do mundo por identificar um asteroide. No total, já foram 15 desses corpos celestes que o menino descobriu e que já foram confirmados pela Nasa (Agência Espacial Americana).

Natural de São Paulo, Miro Latansio Tsai sempre se interessou por assuntos relacionados a astronomia e ciência. "Eu sempre gostei de ciência, astronomia e planetas: Marte, Júpiter, Saturno, Sol, Mercúrio", diz o pequeno, que logo depois se corrige e afirma que, na realidade, o Sol é uma estrela.

Segundo Carla Latansio, advogada e mãe de Miro, o interesse do garoto por astronomia é visível desde que ele era ainda menor.

"Com dois anos ele sabia o nome de todos os planetas do sistema solar. Na primeira visita que fizemos ao Museu Catavento, em São Paulo, na entrada tinham todos os planetas na parede e ele foi passando e apontando os dedinhos e falando os nomes de todos", exemplifica.

A curiosidade da criança por astronomia chamou a atenção dos pais e um dia, durante a quarentena por causa da pandemia de Covid-19, Latansio viu um anúncio de um projeto para caçar asteroides, uma iniciativa internacional chamada oficialmente de Iasc (Colaboração Internacional de Pesquisa Astronômica, na tradução do inglês).

O projeto de caça de asteroides é coordenado pela Nasa e conta com a participação de outras instituições ao redor do mundo –no Brasil, o MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) é o responsável pelo engajamento da comunidade local para a participação no projeto e recentemente premiou a estudante Verena Paccola por ter descoberto um asteroide raro.

A mãe de Miro imaginou que seria interessante inscrever o garoto no projeto de caça a asteroides. Rapidamente, contam, ele já entendia como manusear o programa de computador que é utilizado para analisar imagens disponibilizadas pela Nasa. Foi por meio dessas fotos e desse programa que Miro conseguiu identificar 15 asteroides entre os meses de outubro e novembro de 2021.

A realização do menino fez com que ele fosse convidado para a 18º Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, onde recebeu um certificado de mérito do MCTI por ter descoberto os 15 asteroides. Naquele momento, recebeu também outro certificado da Iasc e da Nasa também por suas descobertas.

Miro disse ter ficado orgulhoso por receber o reconhecimento.

Com esses resultados, sua mãe teve a ideia de uma iniciativa em que o garoto ajudasse outras crianças a caçar asteroides. O projeto foi chamado de "Clubinho do Miro" e lá são compartilhadas informações sobre astronomia e caça de asteroides.

"Eu abri o meu clube de astronomia porque os meus amigos gostaram tanto de ver minha medalha, então eu abri um clubinho para ensinar eles (sic)", afirma o garoto.

Para o futuro, Miro pretende continuar caçando asteroides pelo mesmo projeto do Iasc, mas também está envolvidos em dois outros programas: "Imagens do Céu Profundo", do MCTI em parceria com outras organizações, dentre elas o Iasc; e o Globe, voltado para monitoramento do clima global e coordenado pela Nasa.

O interesse de Miro pela caça aos asteroides tem uma explicação: ele acredita que descobrir os asteroides pode ser uma forma de preservar o nosso planeta. Para identificar o potencial risco de um corpo celeste se chocar contra a Terra, é necessário estudar melhor sua órbita, algo que no momento está sendo feito com os 15 asteroides que Miro descobriu.

"A Nasa precisa que outras pessoas enxerguem esses asteroides para confirmar a órbita deles", afirma Latansio.

Mesmo assim, Miro já está feliz com o que descobriu no último ano. "Sempre que eu puder ajudar as pessoas a proteger o planeta Terra, eu vou fazer isso."

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS