X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Vizinhos molharam as roupas e entraram no prédio para resgatar vítimas de incêndio

| 20/10/2020 08:02 h | Atualizado em 20/10/2020, 08:33

Vizinhos se mobilizaram para tentar ajudar as vítimas do incêndio em um apartamento que matou um menino de quatro anos na noite de segunda-feira (19), na avenida Rio Branco, na Praia do Canto, em Vitória. Algumas pessoas chegaram a molhar as roupas e entraram no edifício para tentar controlar as chamas.

O incêndio começou por volta das 20 horas, no apartamento do terceiro andar do Edifício Pintor Fanzeres. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, estavam no apartamento seis pessoas: duas crianças, o pai, a mãe, a avó e uma babá.

Logo após o início das chamas, houve correria dos moradores para tentar salvar pessoas que continuavam dentro do prédio. Algumas testemunhas relataram que houve demora dos Bombeiros. Por isso, vizinhos molharam as roupas e entraram no edifício.

“O pessoal da rua começou a falar que tinha gente presa em casa. Aí começou a se mobilizar, molhar as camisas e subir. Eu fui junto. Era muito calor e fumaça”, disse o engenheiro mecânico Bruno Magalhães di Cavalcanti, 27, que mora no prédio ao lado.

O tenente Magnago, do Corpo de Bombeiros, afirmou que o tempo de resposta para atender ao chamado foi razoável. “Quando fomos acionados, imediatamente viemos para cá”, disse.

Moradores da região acompanharam o resgate do menino, que foi socorrido desacordado para uma ambulância. Por mais de duas horas, equipes de socorro tentaram reanimar a criança, que teve a morte confirmada por volta das 23h.

Moradores da região acompanharam o trabalho das equipes que atuaram no incêndio na Avenida Rio Branco, na Praia do Canto.
Moradores da região acompanharam o trabalho das equipes que atuaram no incêndio na Avenida Rio Branco, na Praia do Canto. |  Foto: Leonardo Bicalho/AT
Segundo o tenente Magnago explicou que as chamas não chegaram a atingir outros andares, mas, mesmo assim, o prédio foi interditado e os outros moradores tiveram de deixar seus apartamentos.

Uma perícia que será realizada nesta terça-feira (20) vai apontar as possíveis causas do incêndio, que, segundo o Corpo de Bombeiros, pode ter sido originado em um dos quartos da residência.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS