X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Vinte mil mulheres do ES decidem não usar o sobrenome do marido

Seja para reafirmar a individualidade ou se livrar da burocracia, cresce o número de mulheres que mantém o nome de solteira

Isabella de Paula, do jornal A Tribuna | 25/07/2022 18:01 h | Atualizado em 25/07/2022, 18:54

Casada desde 2018, a advogada Carolina da Silva Fração, 32 anos, é uma das mulheres que optou por manter o sobrenome de solteira.
Casada desde 2018, a advogada Carolina da Silva Fração, 32 anos, é uma das mulheres que optou por manter o sobrenome de solteira. |  Foto: Leone Iglesias/AT
 

O casamento é uma prática cultural que proporciona uma série de mudanças na vida de um casal. Entre elas, a alteração do sobrenome, historicamente mais comum entre as mulheres, que acrescentam o nome familiar do marido.

Contudo, nos últimos anos, um fenômeno chama a atenção: menos mulheres buscam essa mudança. No Espírito Santo, de 2020 até a metade de 2022, mais de 20 mil mantiveram o nome de solteira e não incluíram o sobrenome do marido em seus documentos.

Os dados são de levantamento realizado pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil). 

As justificativas apresentadas por elas variam de motivações particulares, novos papéis da mulher na sociedade e busca por menor burocracia.

Nelisa Galante, presidente da Arpen-Brasil, diz que essa redução na procura por mudança na documentação tem sido percebida nos últimos  anos. 

“Com o passar dos anos e a mulher se reconhecendo como pessoa sujeita de direitos,  o número delas que permanece com o nome de solteira tem aumentado”, explica Nelisa Galante.

Apesar do novo fenômeno, a presidente da Arpen-Brasil destaca que, no interior do Estado, essa ainda não é a realidade. 

“No interior do Estado, isso ainda é bem forte, com a manutenção do tradicionalismo das famílias  e a informação chegando de forma mais lenta. Quanto mais próximo da zona urbana, mais mulheres mantêm o sobrenome de solteira”, comenta.  

A advogada Mariana Scaramussa, especialista em Direito Civil, Família e Sucessões, informa que até a década de 1970, a mudança de nome era uma questão obrigatória no casamento para as mulheres. 

“Para as mulheres, a mudança de sobrenome após o casamento era obrigatória no Brasil até o ano de 1977. Essa regra só foi afastada com a promulgação da Lei do Divórcio”, pontua. 

Scaramussa destaca que essa prática obrigatória para as mulheres refletia uma sociedade patriarcal.

“Tal obrigação era o reflexo de uma sociedade patriarcal que ainda perdura, apesar de todos os avanços ocorridos ao longo do tempo”. 

Nova lei permite  a alteração do nome em cartório

Uma nova legislação federal de registros públicos permite a alteração do nome por qualquer pessoa acima de 18 anos nos cartórios brasileiros, independente de motivo.  

A novidade amplia o rol de possibilidades para alteração de nomes e sobrenomes diretamente em cartório, sem a necessidade de procedimento judicial ou contratação de advogados.

De acordo com a advogada Mariana Scaramussa, a nova lei traz mudanças significativas na seara dos registros públicos. Ela explica que antes da nova legislação, o nome só poderia ser alterado em situações muito específicas. 

“Anteriormente, o nome era imutável, só podendo ser alterado em situações   excepcionais, apenas por meio de um processo judicial”.

Os números

Dados da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil)

2020

18.487: Total de casamentos no Espírito Santo. 

7.589: Mulheres que não alteraram sobrenome.

2021

22.886: Total de casamentos no Espírito Santo.

9.944: Mulheres que não alteraram sobrenome.

2022 (até 12 de junho)

7.336: Total de casamentos no Espírito Santo.

3.475: Mulheres que não alteraram sobrenome.

Fonte: Arpen-Brasil.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS