X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Tio que matou sobrinho se entrega à polícia

| 25/01/2020 16:05 h

Adelias Vieira  no dia da morte do filho Jackson (destaque): “Meu irmão atirou à queima-roupa na testa dele”
Adelias Vieira no dia da morte do filho Jackson (destaque): “Meu irmão atirou à queima-roupa na testa dele” |  Foto: Kadidja Fernandes/AT

O policial civil afastado Adilau Vieira da Costa, acusado de matar o sobrinho a tiros no último dia 14, se entregou à polícia ontem. O crime aconteceu dentro da casa da vítima, na Glória, em Vila Velha. O operador de máquinas Jackson Franklin Rodrigues, 35 anos, foi atingido na cabeça e morreu na hora.

Após o crime, o acusado fugiu do local e, segundo a Polícia Civil, se apresentou na tarde de ontem na Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha.
Contra ele havia um mandado de prisão temporária, que foi cumprido. A investigação segue em andamento na DHPP de Vila Velha.

A Corregedoria da Polícia Civil não está investigando o caso, pois só apura condutas de policiais na ativa. Adilau foi encaminhado para a Unidade Prisional Especial para Policiais Civis, em Vila Velha.
No dia do crime, o pai da vítima, o delegado aposentado Adelias Vieira da Costa, 62, contou o que poderia ter motivado o assassinato.

“Meu irmão estava dizendo que ia jogar o lixo lá na frente da casa. Meu filho ouviu e disse para ele que lá não era lugar de jogar. Eles se agrediram e meu irmão sacou a pistola atirando à queima-roupa na testa dele”, lamentou.

A vítima e o tio moravam no mesmo terreno, na rua Aracati. No lote, há várias casas da família alugadas. O local foi uma herança deixada pelo avô de Jackson. Segundo Adelias, o operador era quem tomava conta do terreno. Ele e o tio já tinham discutido outras vezes por assuntos como o descar-te do lixo e o estacionamento.

O operador de máquinas deixou um casal de filhos: um rapaz de 18 anos e uma menina de 13.
Ainda de acordo com Adelias, não foi a primeira vez que o acusado demonstrou atitudes como essa.

“Mesmo na época de policial civil, ele já era problemático. Teve uma vez que fez alguns tratamentos psiquiátricos e se aposentou. Há um ano ele perdeu um filho assassinado em Linhares, envolvido com o tráfico de drogas. Ele havia falado que ia matar as pessoas que tinham eliminado o filho”, lembrou o pai da vítima.

Além de ser servidor público aposentado, Adilau também fez um curso de teologia em uma faculdade particular em Linhares, fato confirmado pela família.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS