X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Polícia vai fazer nova vistoria em parque de diversões após morte de professora

| 04/02/2020 10:23 h | Atualizado em 04/02/2020, 11:04

Mirian de Oliveira tinha 38 anos e era dona de casa.
Mirian de Oliveira tinha 38 anos e era dona de casa. |  Foto: Acervo pessoal
A equipe de engenharia da Polícia Civil fará uma vistoria essa semana no parque de diversões Parque Center Toys, de Itaipava, em Itapemirim, para avaliar as condições dos brinquedos, principalmente do Surf, de onde caíram mãe e filha no sábado (1º).

“Temos um corpo de engenharia na Polícia Civil capacitada para fazer esse tipo de análise. Precisamos identificar se o acidente foi por problema mecânico ou por alguma falha causada pelo funcionário, que ficou comprovado estar trabalhando embriagado”, disse o delegado Djalma Pereira Lemos.

Essa é a segunda vistoria. A primeira ocorreu no dia do acidente. Segundo ele, a polícia tem prazo de 10 dias para concluir o inquérito. O acidente provocou a morte da professora Miriam de Oliveira, 38, que foi atingida pelo brinquedo, após cair, e deixou gravemente ferida sua filha, de 8 anos. O pai ficou ferido ao socorrê-las.

O parque está fechado pela Defesa Civil até a conclusão das investigações. Ontem, a reportagem esteve no local e encontrou apenas uma mulher e um rapaz na área do parque. Questionados, apenas o rapaz disse: “Manda trazer comida para a gente, pois estamos passando fome”.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o parque de diversões possuía alvará de funcionamento.

Miriam de Oliveira morreu ao cair do brinquedo no parque
Miriam de Oliveira morreu ao cair do brinquedo no parque |  Foto: Ivny Matos/ Divulgação

No entanto, também deveria ter alvará da Polícia Civil, mas o documento não foi requisitado, segundo informou o delegado.

“Parques, circos e shows têm de ter alvará da Polícia Civil autorizando o evento. Não deram entrada nem aqui e nem na Delegacia de Diversões Públicas, em Vitória”, disse Djalma.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, uma vistoria foi realizada, com o parque montado, e foi verificado o documento de responsabilidade técnica do engenheiro responsável pela montagem da parte mecânica e elétrica dos brinquedos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, compete ao município exigir todos os outros alvarás, assim como o de costumes e diversões e sanitário, e autorizar, assim, o funcionamento.

No entanto, a prefeitura informou que o alvará fornecido pelo município é apenas para fins tributários. “O alvará que visa às condições de estrutura, funcionamento e segurança é de competência do Corpo de Bombeiros e dos engenheiros técnicos que emitem as anotações de responsabilidade técnica (ART) elétrica e mecânica.”

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS