X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Poder da fé: mulheres lideram ações em igrejas para unir famílias

| 02/02/2020 17:18 h | Atualizado em 02/02/2020, 17:51

As mulheres representam muitos movimentos e levantam bandeiras importantes sobre aquilo que creem e defendem. E não é diferente quando o assunto é a família. Elas assumem a liderança e comandam grupos nas igrejas para garantir união e felicidade nos lares.

São grupos que se unem em ações que vão desde as pessoais, como a oração pelos membros, até as sociais, como arrecadação de alimentos, itens de higiene pessoal e material escolar.

Na maioria das vezes, as reuniões começam de maneira tímida e tomam proporções enormes.


É o caso do movimento “Mães que Oram pelos Filhos”, da Igreja Católica. O grupo foi fundado em 2011 pela professora e consultora empresarial Angela Abdo, de 64 anos, na Paróquia São Camilo, na Mata da Praia, Vitória, depois que a filha pediu que a mãe rezasse por ela e pela cunhada.

“No início, éramos apenas cinco mulheres que rezavam pelas intenções dos filhos, netos, genros e noras. Permanecemos assim por quatro anos. Depois passamos a ser 20, e agora somos mais de 100 mil, em 1.500 grupos no Brasil, Alemanha, Japão, Hong Kong, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos”, salientou.

Segundo Angela, o grupo virou um movimento mundial. Ela está escrevendo seu 12º livro sobre o tema e acredita que a necessidade da restauração das famílias foi a grande impulsora para que o grupo ganhasse essa proporção.

“O bonito é que muitas mães não tinham tempo para Deus. Todas nós trabalhamos, temos as nossas obrigações. Mas, pelo filho, a mãe vai”, afirmou.

Para a empresária Aline Eisenlohr, 43, a oração traz paz e equilíbrio para as famílias. “A gente vê muitas famílias restauradas através da iniciativa de uma mãe de ter feito a parte dela em oração pelos filhos”, disse.

Já a arquiteta Cristiane Machado Xavier, 43, contou que a relação com o marido e os filhos melhorou depois que passou a participar do grupo. “Minha família foi transformada e hoje somos mais unidos. O nosso vazio foi preenchido”.

Na Paróquia São Camilo, da Mata da Praia, o grupo se reúne sempre às quartas-feiras, das 18h30 às 20h30. Qualquer pessoa pode participar. No site maesqueorampelosfilhos.com, os interessados podem consultar endereços e horários de outros grupos.


Outros movimentos religiosos femininos




Atuação como mediadoras das questões familiares

Edebrande Cavalieri: presença das mulheres nas igrejas é fundamental
Edebrande Cavalieri: presença das mulheres nas igrejas é fundamental |  Foto: Thiago Coutinho / Arquivo AT - 24/10/2016
O protagonismo da mulher em diversos setores sempre se torna tema de estudos por todo o mundo. Embora ainda sejam cercadas de preconceitos, as mulheres viram chefes de Estado, presidentes de sindicatos e associações e donas de grandes empresas, entre tantas outras funções. O antes chamado “sexo frágil” ganhou força e hoje comanda importantes grupos, inclusive na igreja.

A mestre em Sociologia Política Valéria Barros comentou que a mulher exerce o papel de mediadora da família.

“Em linhas gerais, as mulheres são mais voltadas para a religião, onde são a maioria. Esse protagonismo atribui a elas um certo empoderamento, pois talvez não tivessem a chance de assumir um papel de centralidade em outros setores”.

De acordo com o sociólogo Marcelino Marques, o protagonismo da mulher como liderança começou a ganhar destaque nos anos 1980.

“Está acontecendo um fenômeno mundial em que a mulher realmente vem tomando liderança não só nas questões políticas e religiosas. O protagonismo juvenil, por exemplo, virou moda. As mulheres se tornaram mais independentes e mais livres”, avaliou.

Para o doutor em Ciências da Religião Edebrande Cavalieri, as mulheres têm uma atuação e uma presença muito marcante na história das igrejas e religiões, apesar de ainda não terem o lugar mais adequado em termos de direção.

“A última pesquisa do Instituto Datafolha sobre o tema mostrou a presença maciça das mulheres, principalmente nas igrejas evangélicas. A presença ativa é de importância fundamental e pode ser explicada pela maior preocupação com a educação dos filhos. Um dado que não se pode desconsiderar é que o comando das igrejas ainda é mais masculino”, explicou.

Valéria Barros acabou de defender um estudo voltado para a participação das mulheres na Igreja Universal do Reino de Deus. Segundo ela, baseada em dados do IBGE, as mulheres representam 60% dos membros da igreja.

“Ainda que não possam atuar em cargos de liderança eclesiástica, as mulheres atuam ativamente na busca pela preservação da família, apreendida como heterossexual, na luta contra o divórcio, no controle da natalidade, na apreensão da submissão aos maridos e responsáveis por atrair os outros membros da família à igreja”, explicou a pesquisadora.




SAIBA MAIS Horários e locais de reunião dos grupos


  • Mulheres de Honra

O grupo se reúne todas as quartas-feiras, às 19h30, na Assembleia de Deus Nova Vida de Morada de Laranjeiras, Serra.

  • Mães que oram pelos filhos

Na paróquia São Camilo, Mata da Praia, Vitória, sempre às quartas-feiras, das 18h30 às 20h30.
No site maesqueorampelosfilhos.com, os interessados podem consultar endereços e horários de outros grupos.

  • União Feminina Missionária

Somente membros da Igreja Batista participam. Interessados podem procurar a igreja mais próxima para conhecer as regras.

  • Ministério da Intercessão

Somente membros da Igreja Batista Filadélfia, em Consolação, Vitória, participam.

  • Voluntários da Missão

Dias, horários e locais variados, de acordo com a programação da igreja. Interessados podem buscar informações na Missão, na Praia da Costa.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS