X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Plano para recuperar rios do ES em meio à crise climática

Programa Águas e Paisagem II, que será iniciado no 2º semestre, é voltado à gestão de recursos hídricos e ao reflorestamento


Imagem ilustrativa da imagem Plano para recuperar rios do ES em meio à crise climática
Rio Itapemirim é um dos mais afetados devido à sua vulnerabilidade cada vez maior às mudanças climáticas |  Foto: Arquivo AT

A frequência de eventos climáticos extremos – secas prolongadas ou chuvas intensas – tem levado o Estado a investir em novas ações voltadas para o reflorestamento e gestão dos recursos hídricos.

A execução do Programa Águas e Paisagem II deve ser iniciada no segundo semestre deste ano, segundo o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Felipe Rigoni.

O relatório que autoriza captação de US$ 86,1 milhões (cerca de R$ 450 milhões) para execução do programa, de autoria do senador Fabiano Contarato, foi aprovado esta semana no Senado.

Com a aprovação, nas próximas semanas deve ser assinado o financiamento do governo junto do Banco Mundial (Bird).

“O empréstimo, somado à nossa contrapartida, vai totalizar um investimento de US$ 113,6 milhões (mais de R$ 580 milhões)”, explicou o secretário.

Rigoni disse ainda que o investimento garante mais um ciclo do programa Reflorestar.

“Desta vez, teremos uma inovação, já que além de plantar árvores, vamos investir em práticas de conservação de solo, que incluem a construção de barragens menores e caixas secas nas propriedades rurais. Elas garantem ainda mais a infiltração de água no solo e a saúde da base hidrográfica”.

Outra ação, segundo o secretário, é uma série de obras de manutenção de mananciais. “Temos desde obras em estradas, caixas secas, até outras intervenções dentro dos rios, em especial para a bacia do rio Itapemirim”.

Já a terceira ação, de acordo com ele, é o fortalecimento institucional com estudos, além de melhorias na capacidade da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) e da Defesa Civil de prevenir e responder a desastres.

“Já reflorestamos 10 mil hectares no Estado por meio dos produtores rurais. Vamos continuar o trabalho em todas as grandes regiões”, ressaltou.

O governador Renato Casagrande ainda publicou em suas redes sociais que o financiamento pelo Banco Mundial e o aporte do governo do Estado no programa são mais um grande passo para a prevenção de desastres naturais.

O senador Fabiano Contarato reforçou que é necessário investir em obras para minimizar os impactos ambientais e aperfeiçoar meios técnicos e financeiros para responder a calamidades.

“Para isso, é necessário planejamento, fazendo com que os investimentos em melhoria na qualidade de vida das populações sejam sustentáveis ao longo do tempo”, acrescentou.


Entenda

Programa

O governo do Estado vai iniciar ainda este ano as ações do novo Programa de Gestão Integrada dos Recursos Hídricos e Revitalização de Bacias Hidrográficas – “Programa Águas e Paisagem II”.

O objetivo é ampliar a capacidade do Estado de prevenir e resistir a eventos extremos (secas prolongadas e chuvas intensas), ao mesmo tempo em que se concentra nas necessidades de infraestrutura para regiões impactadas por inundações recentes e recorrentes.

Financiamento

O programa teve o financiamento pelo Banco Mundial aprovado no Senado nesta semana.

Além do financiamento de US$ 86,61 milhões (cerca de R$ 450 milhões), o Estado ainda dará um aporte de contrapartida, que somará US$ 113,6 milhões (mais de R$ 580 milhões).

Ações

As ações incluem reflorestamento, construções de barragens, caixas secas e outras medidas em todas as regiões do Estado, em especial na Bacia Hidrográfica do Rio Itapemirim, com prioridade de atenção devido à sua vulnerabilidade cada vez maior às mudanças climáticas.

Fonte: Governo do Estado.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: