X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pastor morre e família denuncia erro no atendimento em unidade de saúde

| 22/01/2020 10:39 h | Atualizado em 22/01/2020, 11:01

O pastor Edilson Silva de Jesus
O pastor Edilson Silva de Jesus |  Foto: Arquivo de família
Após buscar atendimento por três vezes e ficar internado por quatro dias na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Guarapari, o pastor Edilson Silva de Jesus, de 42 anos, morreu na ambulância a caminho de um hospital em Cariacica.

Para a família, a morte do pastor poderia ter sido evitada se a UPA não tivesse sido negligente no atendimento e demorado na transferência para um hospital com recursos.

De acordo com a filha, a estudante Alexia Silva de Jesus, 19, e a sogra, Valdete Alves, 50, o caso foi tratado inicialmente como uma virose, depois como uma bactéria, e Edilson morreu sem que a família soubesse o real motivo.

“Ele estava sentindo muitas dores, vomitando e com um incômodo no estômago. Ele foi na UPA pela primeira vez, sendo atendido na madrugada do dia 7. Eles disseram que era uma virose e passaram apenas remédio de dor”, lembra a filha.

Ao retornar pela segunda vez, o pastor foi informado que estava com dois tipos de viroses e, segundo a família, outros remédios para dor foram passados. Pela terceira vez na unidade, o pastor foi internado imediatamente, e a família foi informada que se tratava, na verdade, de uma bactéria.

“Meu pai parou de urinar, do nada, e ninguém nos informava o que estava acontecendo”.

Ele recebeu uma medicação pelo soro, que, segundo a família, pode ter causado a morte dele. “Ele apagou com essa medicação. Não falava mais nada, não abria os olhos. E eles não falam que remédio é esse. Depois , entubaram ele, sem nenhuma explicação. Aí me deram o papel para corrermos atrás de uma vaga em um hospital. Mas ele morreu na ambulância”, conta a sogra.

O pastor morreu na madrugada de sexta-feira e, na certidão de óbito, consta que o motivo foi choque séptico, endocardite infecciosa e valvopatia mitral crônica calcificada.

Valdete Alves e filha Alexia Silva   disseram que o pastor Edilson Silva de Jesus morreu sem que a família soubesse a causa
Valdete Alves e filha Alexia Silva disseram que o pastor Edilson Silva de Jesus morreu sem que a família soubesse a causa |  Foto: Roberta Bourguignon

Direção da UPA diz que realizou procedimentos necessários

A direção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Guarapari informou que o pastor Edilson Silva de Jesus, de 42 anos, deu entrada na unidade no dia 7 de janeiro e, na ocasião, foi atendido, medicado e liberado após relatar melhora dos sintomas.

No dia 13, o paciente foi medicado e, segundo a UPA, além de ter realizado todos os exames necessários e disponíveis, de acordo com seu quadro clínico, ele foi cadastrado na Central de Regulação de Leitos de Internação (regulação estadual) e aguardava a liberação de uma vaga em hospital.

Edilson Silva de Jesus apresentou piora do quadro no dia 16 pela manhã e foi encaminhado à sala de emergência, onde foram realizados todos os procedimentos necessários para a manutenção e estabilidade do quadro clínico do paciente, até a liberação da vaga.

A vaga foi cedida às 14h52, quando imediatamente foi acionada a remoção (UTI móvel), de competência estadual. O paciente foi transferido na mesma data pela empresa que presta serviços ao Estado.

Manifestação
A sogra do pastor, Valdete Alves, disse que está organizando uma manifestação porque conheceu outros familiares que passaram pela mesma situação.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS