X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Mutirão para mudar nome de pessoas trans e travestis de graça no ES

Este é o terceiro ano de parceria entre a associação responsável pela ação e a Defensoria Pública do Espírito Santo

Amanda Drumond | 20/07/2022 11:19 h

Documento de identidade
Documento de identidade |  Foto: Reprodução/Arquivo AT
 

Um mutirão, que vai acontecer das 09 horas às 16h desta sexta-feira (22), vai acertar o nome e gênero nos documentos de pessoas transexuais e travestis de todo o Estado. A ação é uma parceria do Grupo Orgulho, Liberdade e Dignidade (Gold) com a Defensoria Pública do Espírito Santo.

De acordo com a Coordenadora de Ações e Projetos da associação, Deborah Sabara, todas as pessoas, de qualquer cidade capixaba, podem participar da ação, que vai acontecer na sede da Gold, que fica no edifício Alexandre Buaiz, sala 202, na avenida Presidente Florentino Avidos, Centro de Vitória. 

Ainda de acordo com Sabara, esta é a terceira edição da parceria entre a associação e a Defensoria do Estado. Na última, ela contou que 150 pessoas conseguiram acertar seus documentos.

O serviço faz parte da V Semana de Cidadania LGBTQIA+ de Vitória, que além da retificação de documentos, vai contar com sessão de cinema em presídios, piquenique, queimada LGBTQIA+ e terminar com o XI Manifesto do Orgulho LGBTQIA+, mais conhecido como a Parada LGBT do Espírito Santo.

Ao Tribuna Online, Deborah relatou que a retificação de documentos faz parte dos cuidados com a saúde da população trans e travesti.

"Não é só não sofrer mais constrangimento em uma loja, na hora de comprar uma passagem ou de apresentar um documento para a entrar em um órgão público. É cuidar da nossa saúde física, mental e social. Nós, pessoas trans, passamos por todo esses sofrimentos e, às vezes, por estigma dos nossos próprios familiares. Então, o nome contribui com a autoestima, com a dignidade e com o prazer de sermos chamadas pelo nome que nós escolhemos", explicou.

Aos pais e familiares, a coordenadora pediu que fiquem do lado de seus filhos. "Eles não vão deixar de ser trans, então os ajude a fazer a retificação de registro. Nós tomamos essa decisão muito cedo, algumas fazem a transição tardia, mas a retificação é feita ainda na adolescência. Então apoiem seus filhos e suas filhas".

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS