X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Multa de R$ 300 ao dia se não deixar pai ver a filha

| 07/10/2020 18:20 h

Após passar mais de seis meses sem ver a filha, um aposentado, de 57 anos, morador do Estado, conseguiu na Justiça o direito de poder visitar a criança, de 10 anos. Ficou ainda estipulada uma multa de R$ 300 ao dia para a mãe, caso ela não permita a visita.

A mãe alegou que, por causa da pandemia de Covid-19, a filha não poderia ter contato com o pai. Assim, ela proibiu que ele passasse os finais de semana com a menina.

A advogada Kelly Andrade conta que a garota mora com a mãe, mas o pai tem o direito de visita, estabelecido por sentença.
“Mas, desde março, a mãe não estava deixando o pai ver a filha. Ela dizia que, enquanto a pandemia permanecesse, ele não poderia ver a menina”, relatou.

Segundo a advogada, o aposentado foi à casa onde a filha mora e viu que no local funciona uma empresa do atual marido da ex-mulher. “Ele viu vários funcionários entrando no local o tempo todo e percebeu que a pandemia não era justificativa para não ver a filha”, contou a advogada.
“Ele é saudável, fez o teste de Covid, que deu negativo, e a filha também saudável”, completou.

A advogada explica que o direito de visita não é apenas do pai ou mãe. “É também um direito do filho. O genitor que possui a guarda – neste caso, a mãe – tem a obrigação de estimular a convivência”.

Sem suportar a situação, o aposentado recorreu à Justiça para garantir o direito de visitar a filha, já que não conseguia falar com a garota nem por telefone. “Em agosto, ele nos procurou, entramos com o pedido e pedimos a aplicação de multa”, disse a advogada.

Kelly Andrade relata que a mãe descumpriu a determinação da Justiça em um fim de semana de visita do pai. “Já pedimos a multa”.
O advogado Yuri Iglezias explica que inúmeras variáveis podem interferir no direito de visitação, como a pandemia. Ele afirma que o que se procura, neste momento, é bom senso entre as partes.

“Temos que ponderar se a criança faz parte do grupo de risco, o meio de transporte, a segurança do ambiente para o qual ela vai ser levada. Por outro lado, também é preciso observar a importância do vínculo com o outro genitor, pois, sem a visitação, pode ocorrer a diminuição desse vínculo importante, acarretando a perda de referência”.

A reportagem tentou localizar a mãe e o advogado dela, mas como o processo tramita em segredo de Justiça, não foi possível obter o contato.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS