X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Médica é homenageada por mãe após parto surpresa

| 05/10/2020 15:08 h | Atualizado em 05/10/2020, 15:24

Andreia curte a terceira filha, Ísis, que nasceu de surpresa no último dia 24
Andreia curte a terceira filha, Ísis, que nasceu de surpresa no último dia 24 |  Foto: Acervo pessoal

O que parecia uma dor na coluna eram, na verdade, contrações de um parto. A dona de casa Andreia Schulz Jacobsen, de 37 anos, foi ao hospital na madrugada do último dia 24, após sentir fortes dores na lombar, e descobriu que estava grávida de 33 semanas (cerca de 8 meses), segundo estimativa dos médicos.

A neném Ísis Schulz Jacobsen está internada, mas passa bem. O caso ocorreu no Hospital Maternidade São José, em Colatina, no Noroeste do Estado.

Com a situação inusitada e em uma forma de homenagear a profissional que a socorreu, a mãe escolheu colocar o nome da médica, Ísis, na filha. “Não tinha pensado em dar um nome para ela, porque nem sabia que estava grávida. Como a médica foi muito boa comigo e simpática, decidi colocar este nome”, relatou a mãe.

A médica residente de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital São José, Ísis Eleotério Arcanjo Gomes, que realizou o parto, afirmou que se sentiu privilegiada. “Eu que dei a ideia e a mãe gostou. É o benefício da profissão”, disse.

A médica Ísis com a neném que ganhou o seu nome
A médica Ísis com a neném que ganhou o seu nome |  Foto: acervo pessoal

Andreia disse que não desconfiou de que estava grávida em nenhum instante durante a gestação, inclusive, porque não sentiu o bebê mexer. “A única coisa que eu sentia era azia, mas, como tenho gastrite, não desconfiei”.

No dia do parto, Andreia relata que sentiu fortes dores e achou até que fosse problema nos rins. Ela foi a uma unidade de saúde e só lhe passaram um remédio e uma injeção. Mas, de madrugada, além das fortes dores, ela começou a ter sangramento. Só a partir daí, desconfiou da gravidez e foi direto para o hospital.
Já a médica contou que o parto ocorreu no próprio pronto-socorro e que

não deu tempo de chamar um pediatra. “Foi tudo muito rápido. Quando a deitei, já vi que o bebê estava com a cabecinha nascendo”, disse Ísis.

Segundo a médica, Andreia afirmou que utiliza um anticoncepcional injetável, medicação que pode causar amenorreia, que é quando a paciente não menstrua. Por conta disso, ela não desconfiou da gravidez.

“Mas isso não significa que o remédio não tenha eficácia: ou a aplicação não ocorreu direito ou ela tomou algum remédio que cortava o efeito do anticoncepcional, ou passou por alguma alteração hormonal”, explicou a médica.
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS