X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Maioria esconde ser LGBTQIA+ no trabalho

Pesquisa aponta que 61% dizem não revelar orientação sexual para gestores e colegas de empresa, mesmo em tempos de diversidade

Roberta Bourguignon, do jornal A Tribuna | 04/05/2022 14:45 h | Atualizado em 04/05/2022, 16:20

Mais de 60% das pessoas no Brasil que se identificam como gays, lésbicas, bissexuais e travestis escondem sua orientação sexual para gestores e colegas na empresa onde trabalham. É o que aponta a pesquisa Center for Talent Innovation.

Ludmilla Camilloto:  “Diversidade precisa ser concretizada na prática”
Ludmilla Camilloto: “Diversidade precisa ser concretizada na prática” |  Foto: Roberta Bourguignon
 

Os dados intrigam a psicóloga e advogada Ludmilla Camilloto. Autora do livro “Direito de ser”, ela trabalha há 16 anos com diversidade de gênero e busca com palestras nas empresas reduzir esse número no dia a dia das corporações. 

A pesquisa aponta que 61% dos LGBTQIA+ no Brasil não se sentem à vontade para se assumirem no ambiente profissional.

“A diversidade e a inclusão precisam ser concretizadas na prática, dentro das organizações. E o meio de chegar a isso  é através da educação corporativa. É isso que estou fazendo no Estado”, explica.

A especialista conta que  trabalhar com diversidade deixou de ser uma escolha da empresa, é absolutamente fundamental. “Isso é importante dizer porque passa por três aspectos: o jurídico, o organizacional e alteridade, que é quando a gente fala do outro, dos aspectos éticos e morais”.  

A diversidade é, segundo a psicóloga, um fator fundamental para o negócio, que impacta na performance da empresa. 

“A diversidade de olhares, de perspectivas, de um mundo que tem problemas complexos muda a visão de uma empresa. Com uma visão homogênea, de pessoas iguais para elaborar serviços e produtos para uma sociedade que é complexa, a gente vai ter uma pequena fatia dessa visão ampla”, pontua Ludmilla Camilloto.

Que completa: “Quando a gente cria times diversos, com pluralidade de visão, de formação e socialização diversa, a gente traz essas contribuições para dentro da empresa e isso se reverte em inovação, criatividade, e engajamento dos colaboradores que podem ser quem são”. 

Para a psicóloga, 61% desses trabalhadores não se assumem por causa de preconceitos e estereótipos que a sociedade impõe. “Se essas pessoas puderem ser quem elas são, terão disponibilidade maior de fazer uso de toda sua potencialidade, reduzindo conflito na empresa e entre as pessoas”.

Pessoas trans mais prejudicadas

O livro da psicóloga e advogada Ludmilla Camilloto fala sobre os aspectos jurídicos e psicológicos de pessoas trans. Foram dois anos de convivência diária com oito transexuais para escrever o exemplar, que também mostra sobre as dificuldades de não se sentirem à vontade em ser quem são. 

 Os transexuais não se identificam com o gênero que nasceram. A partir de 2018 passaram a ter autonomia para irem ao cartório alterar nome e gênero sem laudo.  

“A despatologização das pessoas trans foi falada pela OMS (Organização Mundial de Saúde), confirmando que não são pessoas doentes. O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que essas pessoas podem mudar seus nomes e gênero no cartório e eu fui escutar as pessoas trans sobre o que achavam da nossa legislação”, diz.

  A psicóloga destaca que “ser quem você é” em um país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo, que tem assassinato de pessoas LGBTQIA+ a cada 26 horas, demonstra também o risco.

“O risco de perder o emprego e o risco de violência psicológica, física. Algumas pessoas não conseguem ser quem são, por receio. Então, só por meio de educação  é que isso pode mudar”, frisa.

ENTENDA

Cada letra  da sigla LGBTQIA+ traz um significado e representa um grupo distinto: 

L – lésbica; 

G –  gay; 

B –  bissexuais; 

T –  travestis, transexuais e transgêneros; 

Q –   queer é um termo emprestado do inglês que se refere a pessoas em não conformidade com os padrões de sexualidade ou gênero; 

I  –  intersexuais são pessoas que apresentam variações clínicas relacionadas aos cromossomos ou órgãos reprodutivos ou sexuais; 

A –  assexual é quem sente pouca (a depender do contexto) ou nenhuma atração sexual por quaisquer dos gêneros; 

+ – abarca todas outras identidades que integram o movimento

Fonte:  UOL

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS