X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Maioria dos adultos está acima do peso, afirma IBGE

| 22/10/2020 12:20 h

Grupo mantém saúde em dia com  circuito funcional
Grupo mantém saúde em dia com circuito funcional |  Foto: Dayana Souza / AT

Hambúrgueres, biscoitos doces e salgados e refrigerantes são alguns dos alimentos consumidos com frequência por grande parte da população brasileira.

A ingestão desses alimentos tem reflexo direto na saúde e no peso. Tanto que uma pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que 60,3% da população adulta apresenta excesso de peso, o que representa cerca de 96 milhões de pessoas, ou seja, seis em cada 10 adultos estão com excesso de peso.

Os dados são do segundo volume da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019, em parceria com o Ministério da Saúde. Segundo os dados, essa proporção é maior no sexo feminino (62,6%) do que no sexo masculino (57,5%).

Entre 2003 e 2019, os resultados de duas pesquisas do IBGE mostraram que a proporção de obesos na população com 20 anos ou mais de idade do País saltou de 12,2% para 26,8%. Nesse período, a prevalência da obesidade feminina passou de 14,5% para 30,2% e se manteve acima da masculina, que subiu de 9,6% para 22,8%.

Nesse mesmo período de 17 anos, a proporção de pessoas com excesso de peso na população com 20 anos ou mais de idade no País era menos da metade (43,3%) em 2003 e saltou para um percentual que já vai se aproximando dos dois terços (61,7%) em 2019.

O médico nutrólogo Roger Bongestab explicou que além, da má alimentação, a população tem reduzido a prática das atividades físicas.

“A obesidade é causada pela intoxicação de calorias, que é o excesso de calorias ingeridas, e um gasto reduzido, que é a diminuição da atividade física. Além disso, mesmo comendo a mais, estamos comendo com qualidade ruim. Alimentos ricos em gorduras trans, por exemplo, engordam”.

A nutricionista Juliana Tinelli destacou que o fato de as mulheres apresentarem maior taxa de sobrepeso e obesidade está relacionada a fatores hormonais e genéticos, além do aumento da jornada de trabalho.

“Muitas trabalham tanto quantos os homens, e ainda assim precisam administrar vida familiar e profissional. Com isso acabam acumulando funções e ficando mais estressadas”, explicou.

O educador físico Glênio Luiz ressaltou que as demandas do dia fazem com que as pessoas deixem a saúde de lado. “Se a pessoa não faz uma atividade física e tem uma alimentação desregrada, ela vai engordar, porque não ela não terá queima calórica”, alertou.

Um em cada 5 adolescentes tem sobrepeso, afirma IBGE

Não é somente a população adulta que está acima do peso. Outro dado do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) está preocupando os especialistas: o excesso de peso entre os adolescentes. Um em cada cinco adolescentes, de 15 a 17 anos, está com sobrepeso, segundo o IBGE.

A prevalência de excesso de peso para os adolescentes com idades nessa faixa etária foi de 19,4% (1,8 milhão de pessoas), sendo mais elevada para as adolescentes do sexo feminino (22,9%) em relação aos do sexo masculino (16,0%).

“Entre os mais jovens, a qualidade da alimentação é ainda pior, porque o paladar é mais focado em alimentos ultraprocessados. Eles também são mais sedentários”, explicou o nutrólogo Roger Bongestab.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS