X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Justiça aceita denúncia contra professora acusada de injúria racial

Professora não terá o direito de "substituir" o processo criminal por outros formas de reparação dos danos causados

Redação Tribuna Online | 16/07/2022 18:30 h

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) aceitou a denúncia contra a professora de design de moda que chegou a ser presa depois de fazer declarações de cunho racista durante uma aula. O caso aconteceu em junho, na capital Vitória.

No documento, o MPES destacou que não cabe o acordo de não persecução penal, ou seja, a acusada não terá o direito de "substituir" o processo criminal por outras formas de reparação dos danos causados com o delito. Além disso, também não haverá suspensão condicional do processo em favor da acusada.

Isso porque a Justiça entende que "tais institutos são desproporcionais e incompatíveis com a infração penal em destaque, que viola valores sociais de ordem constitucional e os fundamentos da república, em especial, a dignidade da pessoa humana, mostrando-se insuficiente para a prevenção e reprovação ao crime".

Relembre o caso

Sala de aula
Sala de aula |  Foto: Canva
  

De acordo com o boletim de ocorrência da denúncia, a professora teria feito críticas às tatuagens de uma estudante, dizendo que são "coisas de presidiários" e as relacionando à escravidão e à cor da pele de uma aluna negra. A estudante relatou o episódio nas redes sociais e denunciou a professora.

Um trecho da ocorrência narra a situação dizendo que a professora teria dito: "eu jamais usaria tatuagem. Tatuagem em pele negra parece ficar encardida. Eu nunca vou ter tatuagem, pois tatuagem é coisa de escravo porque tem marcas e eu não sou escrava para ter marcas", finaliza o documento.

A declaração foi presenciada por mais de 20 alunos em sala de aula. A professora foi detida pela Polícia Civil e autuada por injúria racial, mas pagou fiança e foi liberada para responder à denúncia em liberdade.

Após o caso, a mestre em educação e cultura, de 61 anos, foi comunicada pela instituição que suas atividades estariam suspensas temporariamente. Por meio de nota, a faculdade informou que iniciou uma apuração dos fatos assim que tomou conhecimento do ocorrido.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS