X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Jovem barrada na Ufes vai à Justiça para ter direito a cotas

| 24/08/2021 17:06 h

Aprovada pelo sistema de cotas, mas barrada por não ter características físicas de pessoa parda, uma jovem de 20 anos pretende acionar a Justiça para ingressar na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Victória Bermudes, moradora da Serra, se declara parda e tentou uma vaga na instituição pelo sistema PPI, destinado para pretos, pardos e indígenas.

Com a cota e a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a estudante passou em primeiro lugar no processo seletivo para o curso de Nutrição.

No entanto, a matrícula de Victória foi barrada após análise da Comissão de Avaliação Étnico-Racial, que não considerou que ela tivesse características de uma pessoa parda.

“É como eu me declaro. Minha mãe, Yandra Gomes, se declara parda e meu pai é negro. Pardo se define pela mistura, e eu me encaixo pelo meu tom de pele e cabelo volumoso. Não posso me declarar branca, não me vejo assim”, disse.

O nome dela na lista de aprovados da Ufes saiu no último dia 10. A entrevista online com a comissão foi realizada uma semana depois.
A análise étnico-racial é feita por sete pesquisadores da área, que analisam, exclusivamente, as características fenotípicas do candidato. Ou seja, são avaliados, principalmente, cor de pele, cabelo, boca e nariz.

Segundo Victória, a entrevista foi muito “subjetiva” e durou cerca de três minutos. “Fizeram somente uma pergunta: o porquê eu me declaro parda. No fim do dia, veio o resultado, com o indeferimento da matrícula. Foi uma surpresa para mim. Eu me senti muito constrangida, pois me considero parda”, contou.

Sem a vaga, Victória pretende acionar a Justiça. “Não é só pela minha vaga, pois sou capaz de tentar outras vezes e passar, mas quero Justiça sobre essa situação, para que os critérios sejam esclarecidos. A análise é muito subjetiva e vai contra o quesito de autodeclaração”, reclamou.

A Comissão de Avaliação Étnico-Racial continua com o processo de análise dos aprovados para o próximo semestre da Ufes.

Reportagem de A Tribuna, publicada no último dia 7, mostrou que 163 candidatos aprovados foram impedidos de se matricular por conta da análise étnico-racial no primeiro semestre.

Outros 385 foram barrados por não atender aos critérios socioeconômicos – renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo (R$ 1.650) e que tenha cursado o ensino médio em escola pública.

Victória   e Yandra: “Minha mãe se declara parda e meu pai é negro.  Pardo se define pela mistura”, diz a estudante
Victória e Yandra: “Minha mãe se declara parda e meu pai é negro. Pardo se define pela mistura”, diz a estudante |  Foto: Antonio Moreira/AT

Ufes diz que avalia características do racismo

Como o processo de verificação da Comissão de Avaliação Étnico-Racial ainda está em andamento, a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) não comentou de forma específica sobre o caso de Victória Bermudes, mas explicou os critérios da análise geral que faz com os candidatos.

Presidente da comissão, Jacyara Silva de Paiva explica que a análise é exclusivamente sobre as características fenotípicas do candidato porque são elas que vão determinar se a pessoa sofre racismo.

“As cotas são destinadas para pessoas que, potencialmente, são vítimas de racismo. Por isso, analisamos o conjunto de características, como cor da pele, cabelo, nariz e boca. São esses traços da pessoa que determinam o preconceito no Brasil”, ressaltou Jacyara.

No caso das pessoas pardas, ela explica: “O pardo também é negro. São negros com essas mesmas características fenotípicas que fazem com que eles sofram racismo. Muitos pensam que são pardos por terem a pele um pouco mais escura ou por virem de uma família mais misturada. Não é isso”.

Jacyara diz que a análise da comissão é uma forma, inclusive, de educar a população para a importância da cota e do que é o preconceito. “A pessoa deve fazer a pergunta para ela mesma: eu tenho características físicas que me fazem sofrer racismo? Se a resposta for sim, ela se enquadra no sistema”.

Ela ressalta, ainda, que a autodeclaração precisa ser respeitada, mas que a política de cotas é para um público específico com o objetivo de aumentar a presença de negros no ensino superior e reduzir a desigualdade social.

“A pessoa pode se autodeclarar parda, não tem problema, mas ela não pode se beneficiar das políticas públicas”, ressaltou.


Saiba mais


Cotas

  • A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) possui sistemas de cotas por renda e étnico-racial em seu processo seletivo.

  • No sistema por renda, o candidato precisa ter renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo (R$ 1.650) e ter cursado o ensino médio em escola pública.

  • No sistema étnico-racial, precisa, além dos mesmos critérios de renda, ser preto, pardo ou indígena (PPI).

  • Para verificação, os candidatos são avaliados com o envio de uma foto e entrevista antes da matrícula.

  • O sistema foi criado como reparação histórica aos negros – que, historicamente, sofrem com o racismo –, aumentando as oportunidades e a presença de negros no ensino superior, visando a reduzir a desigualdade social e o racismo na sociedade.

O que é analisado

  • A análise étnico-racial é feita pela Comissão de Avaliação Étnico-Racial, formada por sete pesquisadores da área.

  • Após o envio da foto, é feita uma entrevista, que acontece dias após a divulgação dos aprovados no processo seletivo, antes da matrícula.

  • Os pesquisadores analisam, exclusivamente, as características fenotípicas do candidato, ou seja, levam em conta somente as características físicas. São avaliados, principalmente:

    • Cor de pele

    • Cabelo

    • Nariz

    • Não é levada em conta a ascendência da pessoa, já que o que determina o racismo são as características físicas.

Fonte: Ufes.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS