X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Incêndio que matou menino de 4 anos pode ter começado pelo ar-condicionado

| 21/10/2020 11:30 h | Atualizado em 21/10/2020, 13:04

O incêndio que matou um menino de 4 anos pode ter começado na parte elétrica ar-condicionado e do ventilador do apartamento onde ele morava com a família, na Praia do Canto, em Vitória.
A criança não resistiu depois de ter inalado muita fumaça, na noite da última segunda-feira (19).

A informação é do capitão Igor Cunha, perito do Corpo de Bombeiros. “Coletamos alguns resíduos oriundos da parte elétrica, onde estava direcionado o ar-condicionado e o ventilador que existia no cômodo. Identificamos anormalidades nesses pontos e vamos tentar aprofundar ainda mais no caso”, explicou ele.

O capitão e outro bombeiro ficaram cerca de três horas dentro do apartamento, na manhã de ontem, para realizar a perícia que vai identificar o que provocou o incêndio. Ele levou uma parte elétrica dos eletrodomésticos para ser analisada.

O apartamento tem três quartos. Foi na suíte, que fica entre os dois outros quartos da casa, que o fogo começou.

O menino dormia em seu quarto no momento que o incêndio teve início. Segundo o Corpo de Bombeiros, a primeira a sair do prédio foi a babá, junto com o menino mais velho.

“Tinha o pai, a mãe, a avó, as crianças e a babá. Ela desceu com o outro menino e tentou voltar para pegar ele, mas não conseguiu por causa da fumaça. O pai tentou combater o incêndio com os extintores e, quando desceu, achou que toda a família já estava lá embaixo”, ressaltou o coronel Roger Amaral, assessor do Comando do Corpo de Bombeiros.

A criança foi retirada do quarto, ainda com vida, e recebeu atendimento médico dentro de uma ambulância do Samu, durante duas horas. Ele não resistiu e morreu por asfixia química, já que inalou muita fumaça.

Na noite do incêndio, moradores reclamaram da demora do Corpo de Bombeiros. A corporação afirmou que chegou 21 minutos após a chamada.

O resultado da perícia, que vai apontar as possíveis causas, sai em até 20 dias.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS