X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Homem que teria sofrido com suposta infecção hospitalar não será indenizado

Juiz julgou como improcedentes os pedidos de indenização por danos morais e por danos estéticos


Um homem entrou com uma ação pedindo indenização a um hospital por ter sofrido com uma suposta infecção hospitalar proveniente de uma aplicação de uma injeção com antialérgico.

Segundo informações do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJ-ES), o paciente deu entrada no pronto-socorro com dores na região lombar e apresentou quadro alérgico em decorrência de uso contínuo de soro.

Após um mês do ocorrido, ele teria sido internado devido à evolução de reação alérgica. Porém, o autor do processo disse que, quando recebeu alta médica, ele realizou um hemograma em outro hospital onde foi identificada a existência de uma bactéria leucócito, constatando infecção hospitalar.

De acordo com o hospital, o homem não deixou explícito seu quadro alérgico quando deu entrada no hospital, e também teria omitido que havia se machucado em aula de jiu-jitsu, impedindo que a junta médica solicitasse exames mais específicos. O réu também informou que foi oferecido tratamento adequado para a alergia e que a infecção não procedeu da injeção com antialérgico empregada.

Ao analisar a situação, o juiz da 5ª Vara Cível de Vila Velha verificou que não foram apresentadas provas suficientes e consistentes que constatassem o dano moral sofrido pelo paciente, considerando que as alegações dele foram genéricas e não apontaram, de forma clara, quais condutas praticadas pelo corpo clínico foram negligentes.

Diante disso, o magistrado julgou como improcedentes os pedidos de indenização por danos morais e por danos estéticos, já que não foram comprovadas lesões que justifiquem  a indenização.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: