Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Gás de pimenta é usado para dispersar aglomeração em Marataízes

Agentes municipais foram hostilizados e um jovem preso por desacato

Redação Tribuna Online | 28/02/2022 14:47 h | Atualizado em 28/02/2022, 14:48

Na madrugada desta segunda-feira (28) a Guarda Civil de Marataízes (GCM) registrou aglomeração nos quiosques da Praia Central do município, no Sul do Estado. De acordo com a prefeitura, a ação foi filmada e divulgada pelas redes sociais, nela os foliões reclamaram do uso de spray de pimenta por parte das equipes de segurança. 

Em nota oficial sobre o fato,  o município  informou que a GCM abordou um grupo de jovens que estaria com caixas de som ligadas e promovendo aglomeração, o que está proibido na cidade. No entanto, os guardas municipais chegaram foram recebidos com hostilidade, sendo jogados sobre eles  copos e garrafas de cerveja. Diante disso,  os agentes pediram reforço à Polícia Militar (PM).

Com a chegada dos policias, o clima de animosidade continuou, o que, segundo nota, obrigou o uso de ações mais enérgicas para conter a situação e um jovem foi detido por desacato à autoridade.

O que dizem os foliões 

Uma turista, que não quis ser identificada e estava em um dos quiosques,  disse que a abordagem foi absurda e inadequada. Segundo ela, o show acabou e, para dispersar as pessoas foi usado gás lacrimogênio, mesmo não havendo nenhum sinal de violência ou tumulto no meio do público.

"Simplesmente é a tática que estão usando para dispersar o pessoal. Fizeram o mesmo na semana do réveillon. Inclusive jogaram gás na cara do dono de um quiosque e dos funcionários dele quando já estavam fechando  e guardando as mesas", relatou. 

Para a turista, que não fazia parte do grupo que confrontou os agentes municipais, o uso do gás poderia gerar alarde, com pessoas caindo e se machucando em razão da confusão. "O gás é inofensivo para a maioria das pessoas, mas pode matar um asmático, por exemplo. E se alguém se machucar seriamente na correria? Será que a polícia não pensa nisso?", acrescentou. 

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS