Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Encontrados corpos de idosos soterrados em Alfredo Chaves

| 19/01/2020 22:17 h | Atualizado em 20/01/2020, 07:17

O casal de idosos que morava no local, Antônia Berlamino Barbosa e Osvaldo da Silva Barbosa, morreram
O casal de idosos que morava no local, Antônia Berlamino Barbosa e Osvaldo da Silva Barbosa, morreram |  Foto: Reprodução/Redes Sociais

O Corpo de Bombeiros resgatou na tarde deste domingo (19) os corpos dos idosos que morreram soterrados no bairro Cachoeirinha, em Alfredo Chaves. O casal, Antônia Berlamino Barbosa e Osvaldo da Silva Barbosa, foi atingido pelos escombros da casa quando uma pedra deslizou e atingiu a residência.

O neto, o estudante Luan da Silva Barbosa, 30 anos, que também estava no local, ficou enterrado com a cabeça para fora. O jovem estava na casa com os avós quando escutou um barulho, por volta das 22 horas da última sexta-feira. Ele saiu da residência e, em questão de segundos, percebeu que a casa estava soterrada.

O estudante ficou preso nos destroços por cerca de uma hora e teve dois desmaios. Os vizinhos o ajudaram a sair dos escombros, pois nem os bombeiros conseguiram chegar à casa, devido ao bloqueio e alagamento nas estradas.

O local onde ocorreu o acidente era um sítio e, na casa que foi soterrada, moravam os dois idosos. O jovem morava com a família em uma casa ao lado.

Luan foi encaminhado a um Pronto Atendimento em Alfredo Chaves e depois foi levado de helicóptero para o Hospital Estadual de Urgência e Emergência (HEUE), antigo São Lucas, em Vitória. O jovem teve alguns ferimentos no rosto e uma lesão no braço. Na tarde de ontem, ele teve alta.

"Foi um recomeço, graças a Deus, poder sair desse acidente. Pena que meus avós não conseguiram ter a mesma sorte que eu. Agora é recomeçar. Bola pra frente, conquistar tudo de novo. Afinal, a gente perdeu tudo”, destacou o jovem.

A família disse que vai tentar voltar para Alfredo Chaves, mas ainda não sabe se conseguirá, porque a cidade está completamente fechada. Eles também observaram que até a comunicação com os parentes está difícil, pois em alguns locais não há sinal telefônico.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS