X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Empresários do ES cobram soluções contra engarrafamentos

Eles alegam que o trânsito lento nas BRs 101 e 262, inclusive no inverno e nas férias, causa prejuízos ao turismo e à indústria


 

Imagem ilustrativa da imagem Empresários do ES cobram soluções contra engarrafamentos
Trânsito fica complicado na BR-262, em Domingos Martins, quando há feriados e também aos finais de semana. Empresários apresentam propostas |  Foto: Beto Morais/AT

Sufoco! Essa palavra descreve a sensação de motoristas que percorrem trechos sem duplicação das BRs 101 e 262 no Estado, principalmente aos finais de semana e feriadões.  

Diante desse cenário que tornou-se rotineiro, e deve se agravar no inverno, sobretudo nas rodovias de acesso à região serrana, empresários cobram soluções.  

Leia mais sobre Cidades aqui

Trajetos que normalmente podem ser feitos em menos de uma hora, como do centro de Domingos Martins a Vitória, podem demorar mais de duas horas.

No último final de semana, por exemplo, foi preciso paciência para voltar para casa, tanto de quem retornava de Linhares, quanto de quem escolheu a região serrana.

Fernando Otávio Campos, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado (Findes) e diretor da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-ES), falou sobre os problemas oriundos dos  engarrafamentos nas BRs 101 e 262.

Estes problemas nas BRs 101 e 262 e a demora em sua solução certamente impactam escolhas em investimentos Fernando Otávio Campos, Vice-presidente da Findes
 

“Para as indústrias, além dos atrasos, existem os aumentos de custos diretos com horas extras de profissionais, consumo de combustível e redução de faturamento, já que o atraso nas entregas atrasa o faturamento”. 

Para o turismo, segundo ele, é forte o prejuízo, até mesmo com desistência de ir a certos destinos.

A empresária Ana Venturim Porto, proprietária do Posto Venturim, em Venda Nova do Imigrante, diz que o problema ocorre todos os domingos do ano, piorando nos feriadões, nas férias e no inverno. 

“As pessoas saem nos finais de semana para lazer e relaxamento. Passar horas no trânsito na volta para casa prejudica a experiência. Com isso, novos roteiros vão levando os nossos visitantes”.

Ela cita, entre as últimas propostas debatidas, a ideia de uma alça sobre a ponte do rio Jucu e uma nova via passando por Formate, em Viana. 

A curto prazo, uma possibilidade seria a restrição do fluxo de caminhões em determinados horários, além da reversão de faixas duplas Vinicius Villar, Empresário
 

Valdeir Nunes, presidente executivo do Convention das Montanhas e empresário do Hotel Fazenda China Park, defende a terceira pista, com reversão de faixa dupla. Ele lembra da alça e nova ponte do Rio Jucu. “Reduziria 70% do engarrafamento na Serra da Boa Vista. A ponte é um grande gargalo”.

Leia mais

Três motoristas de aplicativo são assaltados todo dia

ES já tem nove casos de febre maculosa

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomércio-ES) entende que a duplicação da BR-262 é extremamente necessária para potencializar ainda mais o turismo nas montanhas, assim como o setor de agricultura. 

Prejudica muito. É um problema que se repete todos os domingos do ano, piorando ainda mais nos feriadões, nas férias e no inverno Ana Venturim Porto, Empresária
  

“É uma obra muito aguardada pelos capixabas e empresários. A assinatura da contratação da empresa que fará o projeto de duplicação ontem foi mais um passo para resolver essa questão, acompanhada de perto pela Federação”.

Defendo a terceira pista na BR-262, com reversão de faixa dupla, além da alça e nova ponte do rio Jucu. Isso reduziria 70% do engarrafamento Valdeir Nunes, Empresário
 

Projeto de duplicação inclui túnel e passarelas

Com investimento de R$ 22,2 milhões, a BR-262 vai ganhar obras de duplicação e restauração no trecho de 180,6 quilômetros entre Viana e a divisa com Minas Gerais, nos quilômetros 15,9 e 196,5, respectivamente.

Entre as soluções propostas na contratação para elaboração do Projeto Básico de Engenharia, além da duplicação de toda a extensão, destacam-se a implantação de intersecções em dois níveis, de vias elevadas e passarelas para travessia de pedestres.

Também está prevista a construção de um túnel rodoviário de 700 metros de extensão em Venda Nova do Imigrante  para transposição de segmento de relevo extremamente acidentado, além da duplicação das 17 pontes ao longo do trecho.

Romeu Scheibe Neto, superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Espírito Santo (Dnit-ES), destaca que, a médio e longo prazo, a duplicação vai trazer benefícios na redução dos custos operacionais e ambientais do transporte rodoviário, melhoria da mobilidade urbana e rural, geração de empregos diretos e indiretos e desenvolvimento socioeconômico regional, impulsionando o Estado.

Ele revelou que a contratação da obra entre Viana e Venda Nova do Imigrante está prevista para o  segundo semestre do ano que vem, mas preferiu não citar data para a conclusão, uma vez que existem questões burocráticas para o início, como licença de instalação.

Vinícius Villar, empresário do Restaurante Espigueiro/Glamping Pedra Azul, lembra que entre as propostas estava a construção de uma nova rodovia ligando a região de Domingos Martins a Viana para desafogar o trânsito. 

A reportagem entrou em contato com o Departamento de Edificações e de Rodovias do Estado (DER) e o órgão informou que está levantando as informações e irá repassá-las posteriormente.

Já no caso da BR-101, o governo federal autorizou uma nova licitação para a concessão da rodovia no Estado, estabelecendo um prazo de 90 dias para que um aditivo contratual seja feito para a administração da rodovia federal entre Mucuri, na Bahia, e a divisa do Espírito Santo com o Rio de Janeiro.

A concessionária Eco101 anunciou em julho de 2022 que não iria mais administrar a rodovia.

Leia mais

Acidente entre ônibus e carreta no ES foi por ultrapassagem, diz PRF

Miopia atinge cada vez mais crianças; Especialistas explicam o motivo

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: