Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Empresário faz pedido antes de morrer e chope é servido no velório

| 08/10/2020 16:01 h | Atualizado em 08/10/2020, 16:25

Dois barris de 50 litros de chope foram servidos no velório
Dois barris de 50 litros de chope foram servidos no velório |  Foto: Arquivo Pessoal
Ari Gonçalves Soares, de 56 anos, gostaria que sua despedida fosse regada a alegria e positividade, pois era dessa forma que vivia. Por isso, Soares fez um pedido para seus familiares e amigos: colocar dois barris de 50 litros de chope na porta da sala do velório para os familiares e amigos que fossem até o local se despedir do empresário.

Soares morreu na noite de segunda-feira (5) de câncer no pâncreas. O empresário estava internado há poucas semanas na Santa Casa de Flórida Paulista. 

Mesmo diante de toda a batalha que enfrentou em vida, quando partisse, queria todos alegres, pois, apesar das dificuldades que viveu, sempre manteve o sorriso no rosto e a alegria constante.

Amigos se reuniram e realizaram o desejo, com a distribuição de 100 litros da bebida.  

O supervisor Ramon de Oliveira Dellaqua, um dos melhores amigos de Soares foi quem contratou o serviço e seguiu à risca todas as recomendações deixadas pelo amigo. A quantidade de bebida que foi servida, 100 litros, e até a marca do chope foram as escolhidas pelo empresário, em vida.

"Ari era uma pessoa positiva, alegre, feliz, extrovertida", contou o amigo
"Ari era uma pessoa positiva, alegre, feliz, extrovertida", contou o amigo |  Foto: Arquivo Pessoal
"Ele sempre falava sobre esse desejo. Ari era uma pessoa positiva, alegre, feliz, extrovertida e era dessa forma que ele queria que fosse sua despedida, sem tristeza e dor", contou Dellaqua ao G1.

Além da bebida no momento de despedida, o empresário também pediu que o seu corpo fosse cremado. O desejo, conforme contou Dellaqua ao G1, também foi realizado.

"Quando o velório terminou, o corpo foi encaminhado a Araçatuba (SP), para a cremação. Posteriormente, as cinzas vão ser jogadas no mar, em Balneário Camboriú (SC). Essa decisão foi dos amigos mais próximos, pois, como ele amava praia e gostava muito de viajar, imaginamos que ficaria feliz", falou.

 A bebida foi servida para atender a um pedido feito por ele próprio ainda em vida.
A bebida foi servida para atender a um pedido feito por ele próprio ainda em vida. |  Foto: Arquivo Pessoal
"As coisas aconteceram como ele queria. Nós bebemos e relembramos todas as histórias boas que vivemos com ele, sem tristeza e negatividade", disse Dellaqua ao G1.

O amigo ainda contou que algumas pessoas não entenderam a atitude e que isso até gerou críticas.

"Pessoas que não tinham conhecimento do desejo do Ari fizeram críticas em redes sociais e julgaram o que foi feito. Isso não importa. O que importa é que realizamos o que ele mais queria", ressaltou ao G1.

"Um homem festeiro, alegre e sorridente"

O corpo do empresário foi velado em Flórida Paulista, das 9 às 12 horas. Posteriormente, foi levado a Araçatuba (SP), onde foi cremado.

Segundo os amigos, Ari era uma pessoa apaixonada pela vida. Gostava de festejar e viajar com a família e amigos.

Ele lutava contra um câncer no pâncreas há poucos meses. Ao descobrir a doença, Ari iniciou o tratamento, mas fez apenas uma sessão de quimioterapia e não resistiu.

Mesmo diante da batalha contra a doença que o empresário enfrentou, ele deixava claro que quando partisse não queria que as pessoas ficassem tristes. Ainda de acordo com os amigos, mesmo com a descoberta da doença, Soares nunca deixou de sorrir.

Soares deixou esposa e dois filhos, de 24 e 32 anos.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS