Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

De Rainha do Abacaxi a modelo internacional

Lays Tavares, 18 anos, de Marataízes, no Sul do Estado, conta os dias para o embarque rumo a Miami, nos Estados Unidos

Lydia Lourenço, do jornal A Tribuna | 10/02/2022 18:07 h | Atualizado em 10/02/2022, 18:30

Lays Tavares em uma de suas produções como modelo. Jovem começou a carreira após participar do concurso em que foi eleita Rainha do Abacaxi
Lays Tavares em uma de suas produções como modelo. Jovem começou a carreira após participar do concurso em que foi eleita Rainha do Abacaxi |  Foto: Ederson Layon/Divulgação
 

Natural de Marataízes, município conhecido por sua produção de abacaxi, no Sul do Estado, a modelo Lays Tavares, de 18 anos, está prestes a entrar no mercado internacional da moda.

A jovem começou a carreira após participar de um concurso tradicional de sua cidade, onde ganhou o título de Rainha do Abacaxi.

Lays aguarda pela última etapa da seletiva de uma agência internacional em Miami, nos Estados Unidos, e conta os dias para o embarque, ainda sem data definida. 

“Estou me preparando física e psicologicamente para essa mudança. Quero fazer meu nome lá fora e retornar ao Brasil com uma carreira de sucesso”, planeja.

Rainha do Abacaxi  com a fruta que é símbolo de sua cidade, Marataízes
Rainha do Abacaxi com a fruta que é símbolo de sua cidade, Marataízes |  Foto: Ederson Layon/Divulgação
 

A modelo mora atualmente em São Paulo, onde tem se preparado e ganhado experiência no ramo da moda. Ela comenta que se sente honrada em poder levar o nome de sua cidade para fora do País. 

“É uma honra ter ganhado o 'Rainha do Abacaxi' e feito jus a esse título. Antes, o concurso não era muito conhecido e eu ganhei, fui levando esse título mais para frente. É um privilégio levar o nome da minha cidade para outro país”. 

A mãe de Lays, Angélica Olívia Silva, conta que inscreveu escondido a filha para o concurso que a fez iniciar a carreira como modelo. 

“Fiz a inscrição quando ela tinha 14 anos. Só depois falei com ela. Eu sabia que ela ia ganhar. Depois que ela ganhou o concurso, foi convidada para participar de outros desfiles. Ela subiu na passarela e viu que era isso que queria”. 

A modelo com a mãe, Angélica: apoio
A modelo com a mãe, Angélica: apoio |  Foto: Ederson Layon/Divulgação
  

Confiante no potencial da filha, Angélica diz que suas expectativas para a carreira internacional de Lays são altas.

“Lays tem um brilho, ela se transforma quando está trabalhando. Nasceu para ganhar o mundo e eu acredito que ela vai conquistar o espaço dela e que vai longe”, comenta. 

O agente da modelo e diretor de desenvolvimento da Mega Models, Zeca Barreto, representa a carreira nacional da jovem desde dezembro de 2020, quando se encantou pela determinação dela em sua vida profissional.  

“Desde o primeiro momento em que a vimos, analisando todo o seu perfil, sua história, a beleza, uma das coisas que mais nos cativou foi ver em seus olhos o brilho e a vontade de se tornar uma grande modelo”.


“Quando pisei na passarela pela 1ª vez, me apaixonei”


A TRIBUNA – Como surgiu a oportunidade para a seletiva?

Lays Tavares – Conheci o Dilson Stein no final de 2020. Foi ele quem descobriu a Gisele Bündchen. Ele me mostrou o trabalho dele e decidimos investir. Ele me preparou durante um ano e meio. Então, fui para São Paulo, e ele achou que eu estava pronta. Daí, surgiu a oportunidade dessa seleção da agência Elite, que fica em Miami (EUA) e participei.  

Há quanto tempo você está em São Paulo e como tem sido sua vida aí? 

Estou há 19 dias em São Paulo. Fácil não é, porque eu estou em uma cidade totalmente diferente e fora da minha zona de conforto, mas, aos poucos, vou me encaixando no mundo que eu escolhi.

Ser modelo sempre foi um sonho?

 Sempre pensei em ser policial ou advogada, mas, quando pisei na passarela pela primeira vez, falei:  “Mãe, eu quero ser modelo”. Me apaixonei pela profissão e não pensei mais em outra coisa.

Por ser ainda muito jovem, você tem medo dessa nova fase? Quais as principais dificuldades que enfrentou até aqui?

É claro que eu tenho medo de não dar certo. A vida em São Paulo é muito cara e estou morrendo de saudade da minha família. Mas estou me adaptando e, se Deus quiser, vai dar tudo certo.  

Sua família está apoiando sua carreira? 

Antes de ser o meu sonho, era o sonho da minha mãe. Ela sempre me apoiou muito em tudo. Fez tudo para realizar meu sonho. 

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS