Login

Atualize seus dados

Cidades

Da coleta de lixo às fotos: Gari de Cachoeiro vira modelo e faz ensaio fotográfico

O gari virou modelo de loja de roupa para noivos após chamar atenção de empresário enquanto coletava lixo na rua

21/10/2021 21:24:24 min. de leitura

O olhar atento de um empresário de modas pode ter aberto as portas da fama para o gari Tiago Souza Lima, 29 anos, filho de uma família de sete irmãos (um já falecido), pai de uma menininha de seis anos e morador do bairro Alto Zumbi, em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado.

Éder Oza, que tem um espaço de moda para noivos na cidade, diz que a postura de Tiago quando passou coletando o lixo na rua em que mora chamou sua atenção. 

Imagem ilustrativa da imagem Da coleta de lixo às fotos: Gari de Cachoeiro vira modelo e faz ensaio fotográfico
O gari Tiago Souza Lima, 29 anos, virou modelo de loja de roupa para noivos Foto: Acervo Pessoal
 

Ele conta que ao olhar para o rapaz viu uma beleza diferente, desceu e o abordou, pedindo para tirar uma foto e levantando a possibilidade de que ele fizesse um editorial de moda para sua loja.

“Ele tinha um olhar altivo e a cabeça erguida, era um exemplo vivo de que autoestima e beleza não tem nada a ver com poder e riqueza, mas sim com leveza e coragem, qualidades que esse rapaz tem de sobra”, destaca o empresário.

Tiago é gari há dois anos e três meses numa empresa de coleta terceirizada que faz a coleta de lixo nas ruas de Cachoeiro, e estava em mais um dia de trabalho quando aceitou o convite para ser o modelo da loja de roupas para noivos.

Segundo ele, já tem novas possibilidades a partir do sucesso que fez quando suas fotos foram parar na internet. “Tenho convites de pelo menos sete lojas”.  

Brincalhão, o rapaz diz que agora terá que comprar uma agenda para não se perder em tantos compromissos. “Só tenho a agradecer a todo mundo”. 

O empresário Eder Oza diz que para ver beleza em diamantes brutos é necessário ter a cabeça aberta para isso. 

“Eu sempre tive. Promover inclusão sempre foi um desejo nem sempre possível quando trabalhava para outras pessoas. O Tiago ficou tímido no começo, é normal, mas depois se saiu muito bem durante a sessão de fotos”, destaca.

Éder diz que os ícones tradicionais de beleza não nos representam mais, e que por isso entende a importância de modelos de todos os perfis no mundo da moda.  

“A carreira de Tiago está apenas começando e fotografamos numa madeireira, um ambiente rústico. As fotos ficaram perfeitas”.

Tiago diz que o dinheiro que ganhou no ensaio fotográfico como nova estrela da loja será usado para reformar a casa e construir mais um quarto para a filha, e também para ajudar a mãe doente. “E também quero melhorar a qualidade de vida”.

O mais novo modelo cachoeirense destaca que quer também comprar um carro para levar a mãe, diabética e que já teve AVC, aonde ela precisar. 

Mas o rapaz diz que o empresário Éder Oza não foi o único a percebê-lo, embora tenha sido o primeiro a perceber o seu potencial e a abrir para ele essa nova realidade. 

Relata que já ouviu muitas cantadas das cachoeirenses nos bairros em que trabalha. “Quando pulo do caminhão algumas sempre brincam, mas nunca levei a sério”, conta sorrindo.

Imagem ilustrativa da imagem Da coleta de lixo às fotos: Gari de Cachoeiro vira modelo e faz ensaio fotográfico
Tiago chamou a atenção de empresário enquanto coletava lixo na rua Foto: Acervo Pessoal
 

A dura rotina fora da passarela

A rotina de Tiago Souza Lima é dura. Ele trabalha de quarta às sextas-feiras das 19h às 2h, às segundas e terças das  7h às 16h, e no sábado, das 5h às 11h.

Tiago faz questão de destacar que tem orgulho da profissão e ama o que faz, e que ser gari não é para qualquer um.  “A gente encara chuva, sol, enchente”.

O agora modelo diz que a oportunidade recebida do empresário Éder Oza abriu os seus olhos e já faz com que sonhe com novos tempos para ele e sua família.

Conta um fato curioso, de aparente insucesso, que vê como a mão de Deus e o propósito d’Ele se cumprindo na sua vida. 

Segundo ele, durante todo o tempo que trabalha na empresa de coleta de lixo se preparou, fez cursos e tirou carteira de habilitação para ser motorista. Não passou em nenhum dos testes que fez, o que o deixava frustrado e muito triste.

“Se tivesse saído da coleta nas ruas o Éder não tinha me descoberto. Então foi propósito de Deus na minha vida”, acredita Tiago, criado em um uma igreja evangélica, mas agora não tão presente nos cultos. “Mas minha fé continua inabalável”, garante.

Ele, que abandonou o curso das aulas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) tanto em função da pandemia quanto dos horários irregulares de trabalho, diz que quer concluir o Ensino Médio e depois fazer o curso de Educação Física.

“Quero ser educador físico e também pisar nas passarelas. Quem sabe não posso ser o próximo Mister Brasil”, sonha.