X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Criança de 2 anos é mais uma vítima do cerol

A pequena Melissa brincava no quintal de casa, em Guarapari, quando foi atingida pela linha da pipa. Tia ajudou a socorrê-la


Imagem ilustrativa da imagem Criança de 2 anos é mais uma vítima do cerol
Karina Matos mostrou para as crianças que moram no bairro o ferimento da filha Melissa, para alertá-las |  Foto: Roberta Bourguignon

Uma criança de apenas 2 anos teve o pescoço cortado por linha com cerol enquanto andava em um  carrinho de brinquedo no quintal da casa da família, no bairro Kubitschek, em Guarapari. 

Melissa, que é filha de Karina Matos, 31, foi atendida rapidamente pela tia, que é enfermeira, e cuidou do ferimento sem que ela precisasse ir para o hospital.

O corte só não foi pior porque o avô da menina conseguiu alcançar a linha rapidamente,  mas a família ficou assustada ao ver o pescoço da menina sangrando. 

“Todos os dias de manhã ela passeia com o avô nos fundos do nosso quintal. Hoje (ontem) tinha um menino soltando pipa e quando a linha começou a descer ele chegou a gritar avisando que tinha  cerol. Mas quando ele avisou, a linha já estava no pescoço da Melissa, e foi tempo suficiente para cortar o pescoço dela”, conta a mãe. 

O menino que soltava a pipa tem 12 anos e o pai dele ofereceu ajuda, mas como a família já estava resolvendo a situação, Karina disse que preferiu concentrar nos cuidados da filha. Depois, ela mostrou o machucado de Melissa para as crianças da rua, para que pudessem entender o perigo que é usar o cerol.

“Graças a Deus não foi nada mais grave, mas poderia ter sido. Resolvemos mostrar o que aconteceu com minha filha para as crianças na rua, com o intuito de conscientizá-las”, explica.

Leia mais:

Moradores reclamam de pipas com cerol em Camburi

Soldador corre risco de ficar sem falar após ser atingido por linha de cerol

“As crianças encontram as linhas com cerol nos mercadinhos daqui. Estamos no momento de férias, as crianças estão todas na rua e brincando, e precisam entender o que a linha pode causar. Porque parece que não vai acontecer com ninguém de perto, mas aconteceu, e que sirva de lição”, esclarece. 

Ela ainda completa: “Precisamos de mais conscientização, e fiscalização para retirar de circulação essa linha. Os pais  precisam de conscientizar seus filhos”.

A linha com cerol é fabricada com uma mistura que pode ser feita com cola e pó de vidro ou cola e pó de ferro. No Estado, a fabricação e comercialização de cerol ou qualquer produto semelhante para linhas de pipa é proibida pela lei 8.092/2005.  A mãe da criança chegou a ligar para o socorro, mas não registrou ocorrência na delegacia.

Outros casos de acidente com cerol

 “Por pouco não morri”

Imagem ilustrativa da imagem Criança de 2 anos é mais uma vítima do cerol
Amoriany Loss Cunha Sant Ana, de 27 anos |  Foto: Leone Iglesias/AT

Uma motogirl viveu momentos de terror ao ser atingida por linha com cerol enquanto realizava seu trabalho de entrega. Amoriany Loss Cunha Sant Ana, de 27 anos, estava transitando pelo bairro Balneário de Carapebus, na Serra, quando teve sua vida por um fio.

Enquanto se dirigia para abastecer sua moto, foi surpreendida por uma linha de pipa com cerol que atingiu seu pescoço e provocou um profundo corte, resultando em 13 pontos.

“Por pouco não morri. Vi minha vida entre os meus dedos. Pretendo nunca mais voltar a pilotar”, afirmou a jovem.

Motoboy ficou 8 dias na UTI     

Imagem ilustrativa da imagem Criança de 2 anos é mais uma vítima do cerol
José Cordeiro de Lima Neto, 47 anos |  Foto: Leone Iglesias/AT

Depois de ter o pescoço cortado no mês passado por uma linha de cerol enquanto passava por uma avenida de Ilha dos Ayres, em Vila Velha, o soldador e motoboy José Cordeiro de Lima Neto, 47, se recupera em casa após 8 dias na UTI. 

No dia do acidente, ele não se deu conta da lesão até que um motorista que seguia atrás percebeu o sangramento e o avisou. O motorista colocou a vítima no carro e o levou até o hospital.

Oito pontos na garganta 

Um acidente acabou deixando o motociclista  Eduardo Alvarenga, de 37 anos, ferido no último sábado, quando ele pilotava pela  avenida Carlos Lindenberg, em Vila Velha.  

Eduardo conseguiu pedir ajuda da Guarda Municipal e precisou levar oito pontos no pescoço devido ao corte causado pela linha chilena, além de receber pontos em um dedo que também foi cortado.

Veja mais notícias de Cidades aqui

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: