X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Comissão da Igreja Católica propõe adiamento do início das aulas presenciais por 4 semanas

Eles pedem, também, esse retorno seja feito quando atingir pelo menos 70% da população infantojuvenil imunizada com a primeira dose.


Próximo de acontecer o retorno das aulas nas escolas da rede municipal e estadual de forma presencial, o Vicariato para Ação Social da Arquidiocese de Vitória, por meio da Comissão de Promoção da Dignidade Humana (CPDH), divulgou o Manifesto em Defesa das Vidas no Estado do Espírito Santo onde defende o adiamento do retorno presencial, com o objetivo de conter a covid-19 diante da predominância da variante Ômicron.

A proposta é que o adiamento seja de pelo menos quatro semanas ou até quando se atinja pelo menos 70% da população infantojuvenil imunizada com a primeira dose. A CPDH encaminhou o documento para as gestões estadual e municipais.

A previsão do retorno às aulas na rede estadual é para o próximo dia 3 de fevereiro. Nos municípios as datas são distintas e cada um segue seu calendário escolar. Em Vitória, Vila Velha e Viana as aulas retornam no dia 7 de fevereiro. Em Cariacica a previsão é que tenha início no dia 8 e na Serra no dia 4.

O documento destaca "a persistência da alta taxa de incidência da enfermidade em nosso meio com muitas internações e, infelizmente, muitos óbitos em nosso Estado".

Com o argumento de que, apesar do avanço da vacinação nas pessoas adultas, idosos e demais grupos de risco, "uma significativa parcela de nossa população não tem cobertura vacinal completa ou sequer recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19".

O manifesto destacada, também, "o retorno de números alarmantes de novos casos da doença", além do "aumento significativo de internações e das taxas de ocupações de leitos de UTI [Unidade de Terapia Intensiva], o que pode levar a um esgotamento da capacidade de atendimento do sistema público de saúde".

Sobre a variante Ômicron, o CPDH acredita que ela escapa parcialmente do esquema vacinal que hoje é feito e por conta disso pode afetar de forma grave, principalmente os indivíduos vulneráveis e aqueles que não possuem esquema vacinal completo.

"As crianças, principalmente, apresentam um déficit ainda maior em virtude de ter sido o último grupo inserido no Programa Nacional de Imunização [PNI]. A maioria das crianças na faixa de idade abaixo de 12 anos não recebeu sequer a primeira dose da vacina, e mesmo entre os jovens a parcela completamente imunizada é muito distante do ideal para reduzir de forma significativa a persistência da circulação do vírus na nossa comunidade".

A defesa é de que a baixa taxa de vacinação desse grupo, juntamente com o retorno das aulas, de um público que "normalmente tem um perfil de aglomeração e não conseguem cumprir de forma adequada a etiqueta respiratória, por características próprias da idade", pode fazer com que sejam veículo de aumento de transmissibilidade e de aumento de tempo de permanência do vírus na população, contribuindo para o surgimento de novas variantes.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: