Login

Atualize seus dados

CHUVA

Com risco de barragem se romper, morador é orientado a deixar casa

Os temporais já levaram 145 municípios de Minas Gerais a decretar situação de emergência.

10/01/2022 22:06:35 min. de leitura

Imagem ilustrativa da imagem Com risco de barragem se romper, morador é orientado a deixar casa
Usina Carioca onde barragem apresenta risco de romper Foto: Divulgação Prefeitura Pará de Minas
 

A forte chuva que castiga Minas Gerais nesta semana fez com que as cidades de Pará de Minas e Nova Lima precisassem evacuar moradores em razão do risco do rompimento de barragens. Os temporais já levaram 145 municípios a decretar situação de emergência.

A Prefeitura de Pará de Minas pediu a parte dos moradores que saíssem de casa, porque a barragem da usina Carioca apresenta grande risco de se romper. "A gente tem que fazer uma avaliação geral do que aconteceu. Nos últimos dez dias, a gente teve um volume expressivo de chuvas", disse o prefeito Elias Diniz (PSD), em entrevista coletiva nesta segunda-feira (10).

Segundo ele, a previsão dizia que iria chover 70 mm na cidade. No entanto, o município registrou o dobro do previsto. "É uma situação totalmente atípica. Jamais aconteceu em nossa região um índice pluviométrico superior ao do Climatempo."

Diniz afirma que a empresa Santanense, responsável pela barragem, já tem um plano de segurança para um eventual rompimento e que quem mora na margem dos rios São João ou Paciência precisa sair de casa. "Nós montamos um ponto de acolhimento que é ao lado da igreja e temos um posto de suporte, que fica na unidade básica de saúde."

Em nota, a prefeitura diz que o distrito de Carioca, onde está localizada a barragem, foi um dos mais afetados pelas chuvas. "O grande volume de água fez a represa da usina transbordar e, por consequência, o duto principal da barragem fraturou e nas laterais averiguou-se erosão", afirmou a prefeitura.

Segundo a Defesa Civil, a cidade de Nova Lima também precisou evacuar parte de sua população por causa do risco de uma barragem se romper. No sábado (8), a cidade registrou o transbordamento do Dique Lisa, da Mina Pau Branco, incidente que levou muita gente a pensar que uma barragem da mineradora Vallourec havia se rompido.

A Defesa Civil diz, porém, que isso não aconteceu. "O dique em questão é uma estrutura de contenção de águas pluviais e não se trata, portanto, de uma barragem de rejeitos de mineração. Importante esclarecer, ainda, que o maciço se encontra íntegro e não houve rompimento da estrutura."

Em Minas Gerais, há 36 barragens em nível de emergência, sendo que três delas estão no nível mais alto da escala, ou seja, apresentam risco de rompimento. Um dessas barragens, a B3/B4, está em Nova Lima, de acordo com dados da ANM (Agência Nacional de Mineração). As outras duas barragens que apresentam risco estão nas cidades de Ouro Preto e Barão de Cocais.

Em nota a ANM, diz que monitora as barragens ao longo do ano, mas que intensificou a fiscalização por causa dos temporais dos últimos dias.

"Devido ao forte volume de chuvas ocorrido no estado de MG, as equipes da ANM estão em campo, intensificando a vistoria das estruturas, de forma a orientar as empresas a mitigar eventuais anomalias que estejam ou venham a acontecer", disse a agência, acrescentando que serão realizadas neste mês mais de 20 vistorias no estado em virtude da situação climática.

O estado de Minas foi marcado por duas tragédias envolvendo o rompimento de barragens. Em 2015, a barragem de Fundão se rompeu, gerando uma onda de rejeitos que matou 19 pessoas, destruiu o distrito de Bento Rodrigues e deixou um rastro de destruição ambiental. Já em 2019, a barragem da Vale, em Brumadinho, se rompeu e matou mais de 200 pessoas.