X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Chuva atinge Grande BH, arranca asfalto, destrói lojas e faz mais um morto

| 29/01/2020 10:27 h

Alagamento na avenida Tereza Cristina, em Belo Horizonte
Alagamento na avenida Tereza Cristina, em Belo Horizonte |  Foto: Reprodução/ TV Brasil
A forte chuva que atingiu Belo Horizonte e a região metropolitana entre a noite de terça-feira (28) e a madrugada desta quarta-feira (29) causou destruição e mais uma morte, passando para 53 o número de pessoas que morreram desde o início dos temporais, na quinta-feira passada, dia 23. Mais de 30 mil mineiros estão desabrigados.

Segundo autoridades da capital, em apenas três horas choveu 175,6 milímetros na região central - metade do esperado para o mês inteiro. A morte foi registrada em Nova Lima, onde houve o desabamento de uma casa.

Em Belo Horizonte, a força das águas arrancou o asfalto e destruiu carros e lojas na região da Praça Marília de Dirceu e arrancou a canalização, abrindo uma cratera e interditando a Avenida Tereza Cristina, por onde passa o Ribeirão Arrudas.

No temporal da semana passada, a região onde há a canalização do Ribeirão Arrudas também foi afetada. Duas vigas de concreto foram derrubadas pela força da correnteza, colocando em suspeita a realização da obra que cobriu o rio. Outras três vigas foram danificadas, mas não chegaram a cair.

A cobertura de cursos d'água é criticada por especialistas em meio ambiente e urbanismo em todo o mundo há pelo menos 20 anos. No caso de Belo Horizonte, existe inclusive a possibilidade de estouro da estrutura.

Com o fechamento do ribeirão, a correnteza, em períodos de chuva forte, faz com que a água seja jogada para fora do leito na transição da parte a céu aberto para a coberta. A Avenida Tereza Cristina, que margeia o Arrudas, é uma das vias constantemente fechadas para o trânsito em períodos de chuva forte.

As chuvas fizeram com que o Estado decretasse situação de emergência em 101 cidades. Outros 20 municípios também declararam situação de emergência e outros três de calamidade pública. A Defesa Civil de Minas Gerais aconselha os moradores a deixarem as casas de áreas perigosas.
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS