Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

“Casais vão precisar reinventar a relação a dois”

| 04/10/2020 12:28 h | Atualizado em 04/10/2020, 12:47

Pós-doutoranda Fabiana Pinheiro Ramos comandou pesquisa com mais de 50 casais americanos e capixabas
Pós-doutoranda Fabiana Pinheiro Ramos comandou pesquisa com mais de 50 casais americanos e capixabas |  Foto: Divulgação

Os reflexos da pandemia podem ser sentidos na rotina do dia a dia e também nos relacionamentos. Pesquisas em todo o mundo mostram o aumento do número de divórcios, e especialistas identificam o desgaste que o período de isolamento tem provocado em muitos casais.

A pós-doutoranda em Psicoterapia Analítica Funcional e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Fabiana Pinheiro Ramos, afirma que os casais precisam se reinventar para manter uma relação saudável.

Fabiana, que está nos Estados Unidos, comandou a pesquisa “Ajudando casais a se vincularem durante a pandemia de Covid-19: Uma intervenção baseada no Modelo Consciência, Coragem e Amor”, com mais de 50 casais americanos e capixabas. O estudo buscou entender problemas e propor estratégias para que os casais superassem a turbulência conjugal durante a pandemia.

A Tribuna – De que forma a pandemia influenciou nessa relação a dois?

Fabiana Pinheiro Ramos – Os casais falavam bastante sobre a sobrecarga que a rotina deles passou a ter. Muitas vezes, essa sobrecarga gerava conflitos entre eles. Não, necessariamente, brigas ou discussões, mas conflitos que tinham a necessidade de repactuar, reorganizar.

Por exemplo, o casal que tem filhos, pela manhã ou o dia inteiro a criança estava na escola. Agora ela está dentro de casa o tempo todo. Então esse casal vai precisar se reinventar, repactuar, entender como vão fazer, quem vai se responsabilizar por monitorar a aula online, se está fazendo as tarefas.

Os casais foram convocados a se reorganizar de diversas formas. Além disso, não tiveram a disponibilidade da rede de apoio que é a família, por conta da pandemia. É outro fator que gerou sobrecarga.

Na pesquisa, vimos que, por estarem sobrecarregados, eles diziam que não tinham tempo de cuidar da relação. Aquele momento em que eles estavam na sessão da pesquisa, seja para assistir a um filme, seja para participar da internação psicológica, era o momento onde eles podiam cuidar da relação.

Então, tanto o filme quanto a intervenção tiveram resultados positivos para os casais da pesquisa. Nesse contexto de sobrecarga, para eles, participar da pesquisa foi importante porque foi um momento que esses casais tiveram para cuidar da relação entre si.

Para os casais que não estão na pesquisa, mas também se sentem sobrecarregados com essa rotina, o que podem fazer?

Assim como eles têm as tarefas do trabalho, do cuidado dos filhos, cuidar da relação também é importante. Não se pode deixar que no momento de sobrecarga e da pandemia faça com que essa tarefa fique em segundo plano.

Nesse sentindo, podemos pensar no “cuidar da relação” em dois grandes conjuntos de coisas. A primeira, seria que esse casal pudesse ter momento só para ele, quando os dois pudessem fazer atividades prazerosas e agradáveis juntos. Assistir a um filme em casa, encomendar um jantar especial, criar momentos onde estejam juntos para cuidar da relação.

O segundo grande conjunto de coisas tem a ver com o quanto eles conseguem se comunicar com o parceiro podendo dizer o que está sentindo, vivenciando, o que está acontecendo naquele momento, de forma que cada uma fique mais consciente de si mesmo e do outro. Dessa forma, conseguem se ajustar melhor nessa relação no contexto da pandemia. Então, começa observando como estou e como está o meu parceiro.

Terão de criar formas para cuidar dessa relação?

Os casais vão precisar reinventar a relação a dois. Mas, não só reinventar no sentido de organizar uma rotina, fazer diferente, mas também entender como lidar com si mesmo nesse processo da pandemia e com outro. De modo que esse momento de isolamento social não destrua, mas sim fortaleça a relação, sendo capaz de fazer uma coisa que a gente chama de validação emocional.

Não precisa concordar com que o outro está falando, mas a validação emocional é ouvir e acolher o que o outro está sentindo, pensando, ainda que não seja o mesmo que você pensa ou sente. Eles vão ter de se acolher e não deixar que esse período enfraqueça o relacionamento e termine em um divórcio.

Haverá um “novo normal” para os casais também?

Acredito que ninguém vai sair dessa pandemia sem ter mudado alguma coisa na própria vida. Acredito que essas mudanças aconteceram sim, e agora vai depender de como esse casal conseguiu se reinventar, lidar com desafios, para sabermos o quanto as mudanças vão ser positivas ou não.

Mas, se achar que não está conseguindo lidar com as suas dificuldades, ou com dificuldades do seu relacionamento, procure ajuda.


SAIBA MAIS


A pesquisa

  • Os casais capixabas e americanos se inscreveram para participar da pesquisa de forma online. O casal tinha que participar de uma sessão de 2 horas, com sete psicólogos.
  • Foi proposta uma série de exercícios e atividades para os casais, que envolvia expressão de emoções, de sentimentos, o cuidado com parceiro ou parceira, para que eles experimentassem momentos de mais vínculo e conexão entre eles.
  • Os casais foram avaliamos antes, logo depois e uma semana depois do término da sessão.
  • Foi produzida uma cartilha para ajudar os casais. A cartilha integra a Força-Tarefa PsicoVida, criada especificamente em função da pandemia e está disponível no site https://linktr.ee/ftpsicovida.

Fonte: Fabiana Pinheiro Ramos.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS